Resenha: Dias de inferno na Síria ⁣, de Klester Cavalcanti, Editora Benvirá


#resenhamaeliteratura ⁣
Eu adoro livros escritos por jornalistas e este é muito especial.⁣
Um drama real, escrito por um dos maiores nomes do nosso jornalismo investigativo, Klester Cavalcanti

Dias de inferno na Síria é um relato forte e emocionante da experiência vivenciada pelo jornalista no Oriente Médio. Ao embarcar para a Síria, em 2012, Klester estava ciente do pergio de cobrir uma guerra bem de perto, só não estava preparado para o que aconteceu.⁣

No segundo dia em Homs, ele foi preso, sem explicações, embora sua documentação estivesse toda regular. Durante uma semana permaneceu detido e incomunicável. Conviveu com outros presos numa penitenciária síria.⁣

O livro conta esta experiência única, dolorosa e inacreditável, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti naquele ano.⁣

Um relato sobre vivenciar uma situação limite e ao mesmo tempo uma bonita lição sobre amizade, sobre humanidade, sobre fé.⁣

Mergulhei na leitura e simplesmente não consegui largar o livro até o seu término. Fiquei muito angustiada com a narração do Klester. ⁣

Tivemos o prazer de discutir este livro com o autor, este mês, no nosso Clube MãeLiteratura Especial. Foi sensacional!⁣

Este é o segundo livro que leio dele e quero ler os outros três que já foram lançados. Um livro completamente visual, deve virar filme. ⁣

Veja, abaixo, meu vídeo do nosso canal do #YouTube:⁣⁣⁣

Recomendo muito! Você leu ou quer ler? Me conta.⁣

📖 Dias de inferno na Síria ⁣
Leitura #75 de 2021⁣⁣⁣⁣⁣⁣⁣⁣
Autor: Klester Cavalcanti
Editora: Benvirá
Ano: 2012⁣
Páginas: 296⁣
Minha avaliação: 4,5/5 estrelas 
Adicione no Skoob
Para comprar: Amazon 

Participam também do BEDA

Lunna Dani Alê | Chris | Obdulio | Roseli | Mariana | Darlene | Lucas | Tom


Comentários

  1. Também gosto desse tipo de livro. Obrigada pela resenha!

    ResponderExcluir
  2. A Síria parece distante, mas o nome Homs, por exemplo, é um dos locais onde mais atuei em minha atividade - um clube fundado por sírios em plena Avenida Paulista. As conexões humanas ultrapassam as fronteiras.

    ResponderExcluir

Postar um comentário