Eu Li: Prólogo, Ato e Epílogo


Olá queridos leitores!
A resenha de hoje é do livro Prólogo, ato e epílogo, escrito por Fernanda Montenegro, linda edição da Companhia das Letras.
Sinopse
Em Prólogo, ato, epílogo, Fernanda Montenegro narra suas memórias numa prosa afetiva, cheia de inteligência e sensibilidade. Conhecemos a saga de seus antepassados lavradores portugueses, do lado paterno, e pastores sardos, do lado materno. Lidas hoje, são histórias que podem "parecer um folhetim. Ou uma tragédia" ― gêneros que a atriz domina com maestria. Na turma de jovens que circulavam pela rádio estava Fernando Torres, que ela reencontrou nos ensaios da peça Alegres canções na montanha, quando começaram a namorar. Fernando largou a Panair, Fernanda largou a Berlitz, e o casal se entregou de corpo e alma à arte, paixão de uma vida. Constituíram uma família e realizaram juntos um sem-número de peças, ao lado dos principais nomes do teatro brasileiro. Em páginas de grande emoção, ela relembra os desafios de criar os filhos sobrevivendo como artistas; a busca permanente pela qualidade; a persistência combativa durante os anos de chumbo; a capacidade de constante reinvenção; o padecimento de Fernando; o inesperado sucesso internacional nos anos 1990; a crença na terra que acolheu seus antepassados imigrantes e a devoção por esse país. Fernanda encarna o melhor do Brasil. Não surpreende que alguém que passou a vida memorizando textos tenha desenvolvido notável capacidade de rememorar com sutileza fatos ocorridos décadas atrás. A atriz que há anos encanta multidões em palcos e telas pelo mundo agora se mostra uma contadora de histórias de mão-cheia. "Não estou romanceando. Tenho quase um século de vida, portanto posso dizer: Era no tempo do rei."
Sempre acompanhei a carreira da atriz Fernanda Montenegro, sou sua fã. Acredito que esta grande atriz é uma das últimas remanescentes da sua geração e por isso foi um grande prazer ler sua biografia. 

Fernanda começa seu livro contando sobre seus antepassados, italianos e portugueses e sobres suas memórias de infância, vivida no Rio de Janeiro. Nascida Arlette Pinheiro, seu nome foi escolhido pela sua mãe, inspirado na atriz francesa Arlette Marchal, a quem admirava. Foi a primeira filha e a primeira neta. Em seguida nasceram três irmãos, José, que morreu com dez meses, Aída e Áurea.  Adotou o nome artístico de Fernanda Montenegro ao ingressar na vida artística.
A escrita do livro é afetiva e parece que Fernanda conversa com o leitor, pelo menos aconteceu comigo. Eu não imaginava as dificuldades que ela atravessou, com crises financeiras pesadas. Também me chamou a atenção o impacto das crises políticas, principalmente da ditadura, na carreira e no cotidiano de artistas tão queridos.

Foi muito gostoso relembrar tantos atores e atrizes talentosos que já não estão mais entre nós. Fernanda narra com detalhes sua trajetória profissional e seus trabalhos no teatro, cinema e TV. Separei vários filmes dela para assistir, fiquei bem curiosa. Também quero ler os livros do Nelson Rodrigues que ela menciona e que contribuíram de alguma foram com seu trabalho.

Gostei muito das passagens que ela conta sobre sua família, o casamento longevo com Fernando Torres, o nascimentos dos filhos, Claudio e Fernanda.  Me emocionei com a doença de Fernando e seu falecimento em 2008.

"Um par que permanece unido por sessenta anos sempre provoca estranhas, mirabolantes e perversas especulações. Fernando e eu nos juntamos, nos colamos. Explicar? Como? Aliás, para que explicar? Não tem explicação racional nem irracional. Nem esotérica"
"Ao ver, num palco ou em filme, uma filha e um filho tocados pelo mesmo ofício desafiador dos pais, penso que metade das nossas falhas no campo do relacionamento familiar foi entendida, aceita e perdoada. Não existe fato mais importante e abençoado"

Fernanda mostra uma vida dedicada às suas paixões, às artes e sua contribuição é inegável. Que mulher talentosa. Que grande dama da dramaturgia nós temos aqui, viva, lúcida, coerente, apaixonada.

" Pela vida afora, acumulei algumas observações. São intuições. Quando temos muitas certezas sobre o nosso modo de agir, em cena ou na vida, corremos o risco de ficarmos circunscritos a uma técnica que nos imobiliza naquele processo domado, dominado, que nos congela. É a ponte com o imprevisto, o improvável, o absurdo que, muitas vezes, nos leva a renascer. No palco, atingir o impensável é fundamenta. Essa é a batalha"
Esta biografia foi escrita com a colaboração da jornalista Marta Góes. Entre julho de 2016 e novembro de 2017, Martha realizou dezoito entrevistas com Fernanda Montenegro. A partir deste material, recolhido e transcrito por Martha, Fernanda escreveu este livro, entre novembro de 2017 e agosto de 2019.

O livro é dividido em três partes, que formam o seu título. A edição da Companhia das Letras está linda! Amei a capa, a diagramação é ótima. Fotos belíssimas trazem ainda mais interesse para esta ótima leitura.

Adoro ler biografias! Acho que estas leituras nos aproximam ainda mais dos seus biografados. Fica uma sensação gostosa de proximidade e isso me encanta. Acabo o livro feliz e fui correndo pegar o livro Fim, da sua filha Fernanda Torres, para conhecer um pouco também sobre esta herança de talento.
Prólogo, Ato e Epílogo
Autor: Fernanda Montenegro
Ano: 2019
Páginas: 342
Editora: Companhia das letras
Adicione no Skoob
Para comprar: Companhia das letras

Comentários

  1. OI Clau, estou com esse livro aqui para ler. Eu adoro a Fernanda Montenegro e tenho certeza de que vou amar o livro.
    beijos
    Chris
    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir

Postar um comentário