Eu Li: 1932 São Paulo em Chamas

Hoje trago para vocês um livro simplesmente sensacional e imperdível!
Se você gosta de história, daquelas bem contadas, você não pode deixar de ler 1932 São Paulo em chamas - Como a Revolução Constitucionalista conquistou corações de estudantes, trabalhadores, donas de casa, empresários e quase derrubou Getúlio Vargas, escrito por Luiz Octavio de Lima, da nossa parceira Editora Planeta.
Quando eu soube deste lançamento fiquei doida para ler. Terminei a leitura, mas não tinha postado aqui para vocês ainda porque queria postar hoje, dia 09 de julho, já que hoje é a data comemorativa desta parte triste e conturbada da nossa história, narrada brilhantemente neste livro.
Minhas impressões
A revolução paulista de 1932 sempre me chamou a atenção, pois desde pequena escuto sobre ela. Temos uma ligação próxima. Meu nonno (meu avô paterno, na foto acima com minha avó Yolanda) Pantaleão Leonardi, se alistou voluntariamente e foi um dos jovens e orgulhosos combatentes. Para defender São Paulo, ele ficou baseado em Casa Branca, interior de São Paulo. Por conta deste fato histórico e afetivo foi ainda mais emocionante ler este livro.

Luiz Octavio escreveu um livro simplesmente DELICIOSO! A história narrada por um pesquisador atento e cuidadoso torna-se um prazer. Como é bom aprender assim. A leitura foi muito fluida e prendeu minha atenção do início ao fim. 

Pensei muito e não foi fácil fazer esta resenha para vocês. Sabem por que? Porque o livro é tão interessante, repleto de tantas histórias bacanas e diferentes que foi muito difícil selecioná-las. Separei algumas passagens, que achei muito interessantes e vou destacar aqui apenas uma pequena parte, senão esta resenha ficará enorme.

Vocês sabiam que nenhum dos quatro rapazes conhecidos como MMDC (Martins, Miragaia, Dráuzio e Camargo) não eram estudantes?! Camargo por exemplo tinha 30 anos, era casado e tinha três filhos. O símbolo e o estopim da revolução são as mortes destes homens que manifestavam contra a política do Presidente Vargas em relação a São Paulo.

Luiz octavio conta que o capitão médico da força pública, Juscelino Kubistchek de Oliveira, então um jovem de 29 anos foi deslocado para servir a tropa na cidade de Passa Quatro. Mais tarde seria presidente da república. Sob sua chefia, no hospital de sangue de Passa Quatro, atuaria o futuro diplomata e expoente da literatura nacional João Guimarães Rosa.

El Tigre, apelido do ídolo nacional, o famoso jogador de futebol Arthur Friedenreich, apresentou-se para combater ao lado dos paulistas, trazendo todos seus troféus e medalhas para serem convertidos na campanha chamada "Ouro por São Paulo", ajudando na confecção de capacetes, armas e dinheiro para o movimento.

As mulheres se destacaram na ajuda também. Dorina de Gouvêa Nowil, então uma adolescente de 13 anos arriscava a vida para ajudar os combatentes, cuidando dos feridos, arrecadando fundos, costurando uniformes e agasalhos, organizando o correio militar e até fabricando munições. Ela ficaria cega aos 17 anos e mais tarde fundaria a maravilhosa Fundação Dorina Nowill para tratamento e reabilitação de deficientes visuais.

Antes motivo de orgulho e realização para Santos Dumont, o ronco das máquinas voadoras nesta fase o enlouqueciam. O inventor não conseguia suportar que sua própria invenção fosse empregada para a destruição, ainda mais no combate entre irmãos brasileiros.

Maria José Bezerra, alistada inicialmente na enfermagem aos 36 anos, conseguiu uma farda e passando-se por homem acabou por formar um novo batalhão. Temos no livro muitas histórias de personagens destemidos, fortes e carismáticos.

Histórias de criatividade, coragem e luta recheiam este belo livro. É uma leitura inspiradora, que me fez sentir ainda mais orgulho de ser paulista. Lutamos bravamente, acreditando na revolução e nos seus ideais. 

Acredito que este livro deveria ser adotado por todas as escolas nacionais, aliás livros como este, tornam a história muito mais interessante e de fácil entendimento.
Sobre o livro 
A capa é muito bonita e representa muito bem o ideal paulista. 
Diagramação perfeita! Letras em tamanho confortável, páginas amarelas, sem erros. 

Gostei muito das fotos e do material organizado pelo Luiz Octavio. Fica evidente o cuidado e a pesquisa minuciosa que o escritor fez para escrever este livro. Agora quero ler os outros dois livros dele. Meu pai se adiantou, leu este e o livro anterior e adorou.
1932 é livro muito inspirador, a altura do momento histórico vivenciado. Recomendo muito, muito esta leitura.

Sobre o autor
Luiz Octavio de Lima é jornalista, formado pela PUC-RJ e com MBA em economia pela Unicamp-Facamp. Atuou nas redações de O Globo, Folha de São Paulo, Veja, O Estado de São Paulo, Época e Exame. Foi finalista do prêmio Jabuti 2015 com o livro Pimenta Neves: uma reportagem. É autor de A Guerra do Paraguai e 21 Grandes batalhas que mudaram o Brasil, ambos lançados pela Editora Planeta.

1932 São Paulo em Chamas
Autor: Luiz Octavio de Lima
Ano: 2018
Páginas: 352
Editora: Planeta
Classificação 5/5 - Favoritado
Livro cedido pela editora
Adicione no Skoob
Para comprar: Planeta | Amazon

Comentários

  1. Gosto muito da história de São Paulo e fiquei curiosa para ler esse livro, justamente por falar de um tema que é difícil encontrar material para ler a respeito. Acho esse momento da historia paulista muito interessante. E sua resenha ajudou a aguçar meus instintos cá.
    Bacio carissima

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Adorei a resenha, a história de São Paulo e do país, assim bem escrita, com certeza seria um belo incentivo para se trabalhar melhor e mais prazerosamente em sala de aula.
    Confesso que esse tipo de livro histórico não é do meu favorito de leitura, mas você contou com tanta empolgação e esses pequenos trechos das histórias que são contadas no livro me deixou muito curiosa! Se tiver oportunidade, com certeza lerei! <3
    xoxo

    ResponderExcluir
  3. Oie, Clauo!

    Que resenha linda e que livro maravilhoso!
    Eu também sempre escutei falar muito da revolução por um tio meu que foi combatente e ele sempre falava com tanta emoção que era difícil ficar indiferente a essa parte da história.
    Adorei seu post, a foto do seu nonno!!
    Claro que já quero ler muito esse livro.

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de saber se o livro é bem ilustrado, com fotos das armas usadas durante a Revolução. Grata

    ResponderExcluir
  5. Grata por sua resenha. Tenho muito interesse por história, principalmente história paulista. Um abraço, Sandra Abrano.

    ResponderExcluir
  6. A Revolução de 1932 foi tão emblemática e Getúlio Vargas foi tão repudiado que não nenhum logradouro público em São Paulo com o seu nome, a não a "importada" fundação universitária que leva seu nome.

    ResponderExcluir

Postar um comentário