Resenha: Jubiabá | Jorge Amado | Companhia das Letras

Meu primeiro Jorge Amado! Estava muito curiosa para ler pelo menos um dos seus livros. Tinha a sensação que já os conhecia, pois li todos os livros da sua esposa, Zélia Gattai. Sou apaixonada pela escrita desta mulher tão especial e em vários livros ela conta sobre o processo de escrita de Jorge, daí vem a sensação de familiaridade com a sua obra.

Não é a toa que seus livros foram traduzidos para mais de 49 idiomas! Um dos nossos maiores e talentosos escritores. Tive o prazer de visitar a sua fundação, Fundação Casa de Jorge Amado (vale muito a pena visitar este site) na minha última visita à Salvador e fiquei emocionada com o que vi. Uma vida dedicada à literatura. Dele e de Zélia, seu grande amor. 

Li este livro para o nosso Clube da leitura em parceria com a Companhia das Letras. Gostei muito desta leitura e a sua discussão foi sensacional.

Escrito em 1934 e lançado em 1935, é o terceiro livro de Jorge. É incrível como ele aos 23 anos se mostra maduro e como consegue construir uma trama que se mostra atemporal e histórica. Os temas racismo e discriminação feminina seguem aí, firmes e fortes, infelizmente.

É preciso levar em consideração a época que ele foi escrito e o momento do autor, que se dedicava à sua carreira política também. Explico isso pois este livro traz muito da literatura panfletária, principalmente nos capítulos que abordam a greve que os personagens vivenciam.

Sua escrita é fluida e de fácil entendimento, mas não se engane, é também direta e crua, transmitindo tudo que observa e vivencia, toda a rudeza da vida, sem esquecer o colorido do povo baiano, seu sincretismo religioso, costumes e fé.

Jubiabá que dá título ao livro é um personagem extremamente forte e simbólico, mas não é o seu protagonista. Ele é o líder espiritual que sempre socorre Balduíno e quem lhe mostra o preceito moral que vai permear esta trama. "É ruim vazar o olho da piedade. Traz desgraça..."


O personagem principal é Antônio Balduíno, um negro malandro, criado nas ruas, a quem o leitor vai acompanhar desde pequeno, neste também romance de formação.

A descrição rica dos personagens é uma das coisas que mais me encantaram neste livro. Seus personagens transbordam de emoções, mesmo que num primeiro momento pareçam tão contidos.

Uma leitura impactante e necessária. Finalizo emocionada e doida para conversar com os outros leitores.

Achei a capa lindíssima! Aliás estas edições recentes dos livros de Jorge têm capas maravilhosas. Um trabalho maravilhoso da Companhia das Letras. Revisão impecável, ótima diagramação. No final temos várias imagens de manuscrito, de fotos sobre o livro e das capas anteriores. O posfácio de Antônio Dimas enriquece, complementa e esclarece ainda mais esta leitura.

Jubiabá foi lançado em Portugal também e traduzido para outros 14 idiomas. Nesta bonita edição temos 12 capas de edições lançadas fora do Brasil. As primeiras edições traziam na capa as ilustrações de Caribé e de Di Cavalcanti, amigos do autor.

Termino a leitura emocionada com este livro. Recomendo sua leitura. Sinto que esta leitura me dá um ótimo acesso motivacional aos outros livros deste autor tão especial. Quero ler todos os seus livros. E você já leu? Quer ler também? Me conta.

Sobre o autor

Jorge Amado foi um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos. Ele é o autor mais adaptado da televisão brasileira, verdadeiros sucessos como Tieta do Agreste, Gabriela, Cravo e Canela e Teresa Batista Cansada de Guerra são criações suas, além de Dona Flor e Seus Dois Maridos e Tenda dos Milagres. A obra literária de Jorge Amado conheceu inúmeras adaptações para cinema, teatro e televisão, além de ter sido tema de escolas de samba por todo o Brasil. Seus livros foram traduzidos em 55 países, em 49 idiomas, existindo também exemplares em braile e em fitas gravadas para cegos. Amado foi superado, em número de vendas, apenas por Paulo Coelho mas, em seu estilo - o romance ficcional -, não há paralelo no Brasil. Em 1994 viu sua obra ser reconhecida com o Prêmio Camões, o Nobel da língua portuguesa.

Jubiabá
Autor: Jorge Amado
Ano: 2008
Páginas: 360
Editora: Companhia das Letras
Minha avaliação: 5/5
Adicione no Skoob
Para comprar: Companhia das Letras | Amazon


Comentários

  1. Oi Clauo! Li 2 ou 3 livros desse autor e adoro a sua linguagem. Quero muito ler esse também, que conseguiu te encantar pelo visto. Beijos! Karla Samira

    ResponderExcluir
  2. Jorge Amado é aquele autor que devemos ler sempre! Não li esse e já coloquei na minha lista de desejos que cresce e cresce! Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário