Eu Li: As Miniaturas


Um dos livros mais diferentes que já li na vida, assim defino a leitura de As Miniaturas, de Andrea del Fuego, Companhia das Letras. Resolvi ler este livro para participar do Clube da Leitura organizado pela Biblioteca Vila Lobos, num evento OnLine, pela plataforma Zoom.

A leitura foi uma experiência bem interessante. A escrita da autora é ótima e não é a toa que ela recebeu o Prêmio Saramago de Literatura, pelo seu livro anterior, Os Malaquias. É a escrita interessante que sustenta o livro, já que a trama é bem peculiar. Acredito que este é um livro que deva ser lido sem expectativas e sem comparações com outras tramas mais "reais e concretas". O tom transita pelo nonsense, pelo realismo mágico, pelo universo materno, entre outros.

O livro começa apresentando um personagem que nunca ouvi falar, um oneiro. Corri no Google e mesmo assim fiquei em dúvida sobre seu significado, então resolvi relaxar e curtir a leitura sem grandes expectativas e isso foi ótimo. Este oneiro é um trabalhador que "facilita" os sonhos das pessoas que vem consultá-lo, assim como a seus colegas de departamento. Com a pessoa em transe do sono, ele vai apresentando e sugerindo pequenas miniaturas para o consulente. Dois destes consulentes são os outros personagens principais do livro, Gilsinho e sua mãe. Só que pelas normas isso não poderia acontecer, os dois não poderiam ser tratados pelo mesmo oneiro. Os três personagens vão intercalar suas falas, pensamentos e emoções durante a história.

A mãe de Gilsinho é uma mulher forte, super protetora, que parece guardar alguns segredos. Dirige o táxi do marido, que sumiu após uma internação hospitalar e seu objetivo maior é ganhar dinheiro e sustentar o filho. Gilsinho, o filho, é muito mais maduro do que a mãe supõe e se ressente desta proteção toda. Ele sabe o que quer e parece não ser o mesmo que sua mãe quer para ele.

Personagens secundários surgem e de forma sutil, a autora vai pincelando relacionamentos, sugerindo, deixando dúvidas e possibilidades em aberto. Amores, traições, ambições aparecem por aqui. Assim é a trama, uma sugestão de um micro universo familiar. Gostei muito do ambiente onírico desenhado pela autora e me deixei levar por ele. Foi uma leitura diferente, instigante, que me fez refletir, principalmente sobre sonhos e expectativas. Gostei bastante!
"A Sorte é muito bem vista pela direção. Aquele para quem o ocaso é feliz, outras propriedades também o serão, como lembrar-se de um objeto de trabalho na hora certa, como calar-se enquanto as pupilas quicam dentro dos olhos sonhantes."
Sobre a autora
Andrea del Fuego nasceu em São Paulo, em 1975. Escritora e jornalista, publicou os volumes de contos Minto enquanto posso (O Nome da Rosa, 2004), Engano seu (O Nome da Rosa, 2007) e Nego fogo (Dulcinéia Catadora, 2009), além de diversos livros juvenis e infantis.Nasceu em São Paulo, em 1975. Escritora e jornalista, publicou os volumes de contos Minto enquanto posso (O Nome da Rosa, 2004), Engano seu (O Nome da Rosa, 2007) e Nego fogo (Dulcinéia Catadora, 2009), além de diversos livros juvenis e infantis. Seu primeiro romance, Os malaquias (Língua Geral, 2010), foi ganhador do Prêmio Saramago de literatura.

Ficha Técnica Título: As Miniaturas Autor: Andrea del Fuego Ano: 2013 Páginas: 136 Classificação: 4 estrelas Editora: Companhia das Letras E-book cedido pela editora Adicione no Skoob Para comprar: Companhia das Letras
 

Comentários

  1. Oi Clauo! Eu gosto muito quando, ao terminar a leitura, reflito e aquele livro mexeu de fato comigo. Mexer com sonhos e expectativas não é tarefa fácil. Curti o enredo e, principalmente, esse despertar de sentimentos. Vou colocar na lista. Beijos! Karla Samira

    ResponderExcluir

Postar um comentário