Eu Li: O que eu não posso deixar de fazer hoje?

| O que eu não posso deixar de fazer hoje? | Carlos Julio | 192 páginas | Planeta Estratégia
| Minha avaliação: 4/5 estrelas | Sinopse | Para comprar: Planeta de Livros |

Eu me considero uma pessoa organizada e AMO ler livros sobre esta temática. Sei que não existe mágica, mas realmente acredito que quanto mais você estuda sobre o tema, mais pode melhorar. Por isso, quando soube deste lançamento da Planeta Estratégia, não tive dúvidas, escolhi na hora.

Estava muito curiosa para ler este livro, pelo currículo do autor e pela sua proposta, basicamente formulada pela questão que dá título ao livro. Carlos, filho de imigrantes portugueses, começou a trabalhar muito cedo, ajudando seus pais. Dono de uma carreira meteórica, aos 37 anos era presidente de uma multinacional, sempre mais jovem que a expectativa e muitas mais vezes mais jovens que seus chefes.
Carlos parece ter um talento nato como professor, pois tem uma ótima didática e expõe conceitos claros e de fácil entendimento para explicar como e porque é importante gerenciar seu tempo. Vou destacar os pontos que mais me chamaram a atenção, mas adianto que tem muita coisa interessante neste livro.

Todo seu trabalho se baseia na tríade: foco - disciplina - organização. Olha só que interessante, ele explica que quando você tem um deles organizado, já é bom, mas quando tem os três equilibrados e funcionando adequadamente, você vai longe.

Consigo de cara, identificar um dos meus pontos falhos, onde preciso trabalhar melhor, no FOCO. As explicações de Carlos, me alertam para algo que eu já percebia, mas não conseguia mudar. O autor mostra que agir desta forma é muito mais produtivo/poderoso do que fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Destaco o trecho abaixo que me descreve perfeitamente.
"Foco é algo que alcançamos quando deixamos de dizer sim a outras ações que nos distrairiam justamente para chegar à única coisa que realmente importa. É eleger a meta daquele momento. Cumprindo esse objetivo, passemos ao segundo, ao terceiro, lembrando que tudo o que começamos devemos terminar."
O autor utiliza exemplos e muitas pesquisas para fundamentar seus estudos e sua prática. Dono de uma carreira de muito sucesso, parece ser o melhor exemplo dos seus conceitos. Mostra detalhes da sua organização, como a agenda, que planeja semanalmente sempre aos domingos a noite. Aborda diversas técnicas interessantes, algumas eu já conhecia, como a Pomodoro, que distribui as tarefas em tempos de 25 minutos.

Outro ponto que eu concordo e reforço são os "ladrões do nosso tempo" e adivinha quem entra e ganha disparado neste ranking? As redes sociais, é claro! Uma pesquisa feita em 2018, mostra que somos medalhas de bronze mundial, em tempo de permanência na internet, ficamos conectados por nove horas e catorze minutos (isso em 2018!), perdendo apenas para a Tailândia (campeã) e Filipinas, a vice.
"Na busca pelo foco e pelas tarefas que não podemos deixar de cumprir hoje, precisamos tomar cuidado com os ladrões do nosso tempo. Nem sempre percebemos como eles são onipresentes e ameaçadores; os ladrões de tempo são ladinos, infiltram-se no nosso cotidiano muitas vezes sem que percebamos." 
Eu uso planner e agenda e resgatei meu caderninho (Carlos usa um Moleskine, que carrega para baixo e para cima e anota todas as suas ideias, assim que surgem). Outra coisa que me fisgou nesta leitura, Carlos reforça a importância da leitura no seu cotidiano e destaco uma frase que poderia ter sido minha também! Se eu já estava curiosa e concordando, neste trecho do livro, a minha vontade foi dar um abraço no autor:
"Eu faço isso. Meu Kindle está sempre comigo. Os quatro ou cinco livros que costumo ler ao mesmo tempo me acompanham na palma da mão, e sempre que faço uma pausa, mesmo que pena - às vezes, entre um compromisso e outro -, lá vou eu para o Kindle e leio mais algumas páginas. Como você vê, não estou de algo inviável ou de altíssima complexidade. Os especialistas já estão chamando isso, que pratico há muito tempo de microlearning, Dá para fazer, e sua carreira e sua vida precisam dessa injeção cotidiana de conhecimento."
A começar das apresentações de peso do livro, com as notas de Luiza Helena Trajano (Magazine Luiza), Walter Longo e Cris Arcangeli, já imaginei que este livro seria interessante. A escrita do autor é fluida e de fácil entendimento. Narrado em primeira pessoa, me deu a impressão que eu estava conversando com ele o tempo todo. São 13 capítulos curtos, e no final de cada um, Carlos acrescenta um quadro reforçando os conceitos básicos de cada capítulo. Além deles, temos a introdução, epílogo e uma interessante bibliografia, ou seja sua teoria é bem fundamentada e embasada. Adorei o título, instigante e que define o livro. Achei a capa super bacana. A diagramação da Planeta é ótima, revisão impecável, um livro agradável inclusive visualmente falando.
Gostei muito desta leitura e ela me deixou bem reflexiva. Mais que isso, ela me deixou morrendo de vontade de colocar em prática todos os seus conceitos. Recomendo!

Participam também do BEDA: Karla | Lunna Obdulio





Comentários

  1. Oi Clauo! Adoro livros que falam sobre organização. É verdade, quando a gente não tem foco, não há organização que dê jeito! E sim, as redes sociais roubam nossas horas de uma maneira que a gente nem percebe. Beijos! Karla Samira

    ResponderExcluir

Postar um comentário