Entrevista Com o Autor Luigi Longo

Olá!! 
Hoje é dia de entrevista aqui no blog. Meu convidado é o autor Luigi Longo
Luigi nasceu em São Paulo, em janeiro de 1978, é escritor, advogado e atua na produção de eventos e viagens de experiência no Brasil e no Mundo. Realizou eventos em mais de 80 países.
Conheci o trabalho do autor, ao receber seu convite, para ler seu lançamento Mistérios da Riviera  e gostei muito da sua escrita. Além de talentoso, Luigi é muito atencioso e  topou o convite para esta entrevista. Vamos conferir?
Entrevista

Olá Luigi, por favor, apresente-se para os nossos leitores.
Primeiramente obrigado pela oportunidade que estão dando de me apresentar, falar um pouco meus livros, algumas idéias. 
Sou advogado, empresário e escritor, com 3 livros já publicados, estou indo para o próximo em breve. Gosto muito de escrever histórias que se passam em vários lugares do mundo. Como trabalho com eventos e viagens corporativas, acabo viajando muito e são estes locais que me inspiram a criar histórias. Procuro ambientar cada livro em cidades com suas respectivas ruas, restaurantes, hotéis, locais marcantes. A história é sempre uma ficção, mas o ambiente de época e os locais são todos reais. 

Como você concilia o trabalho como advogado e escritor?
Tive escritório de advocacia por mais de 10 anos, depois acabei saindo para dirigir a empresa de eventos de minha família. Ficou difícil conciliar viagens, reuniões corporativas e o mundo do direito. Mas tenho enorme respeito e admiração por muitos colegas, amigos e pela carreira que sempre me interessou. 

Como surgiu a ideia de escrever “Mistérios da Riviera”? Por que você escolheu a Riviera Francesa para ambientar a sua trama?
Boa pergunta... Eu tenho uma meia dúzia de histórias alinhavadas, uma delas era o Mistérios da Riviera, como gosto muito da França, particularmente desta região que classifico como uma das mais lindas do mundo. Cenário propício para uma histórica romântica. E por que não para um romance policial? Aproveitando de todo glamour, sofisticação, elegância da Côte d’Azur. 

Você contou com a consultoria de um psiquiatra, para embasar a estrutura psicológica do maníaco da história?
Por ter estudado direito, sempre uma área que me chamou atenção, foi justamente psiquiatria, sempre acompanhei leituras no assunto. Mas realizei sim, algumas pesquisas e com especialistas na área.

O desfecho da trama permite uma possibilidade de continuação, o que você pode nos contar sobre isso? Caso afirmativo, você está trabalhando nesta continuação?
Verdade... Sim, tenho a intenção de realizar uma continuação, é um projeto que já comecei a rabiscar. Mas antes, gostaria de lançar dois novos livros, para depois, talvez daqui um ano e meio lançar a continuação. 
Um dos livros que pretendo lançar é de época, romântico, espero lançar até final do ano, se passa no começo do século, e mostra toda evolução de uma família durante 100 anos e sua adaptação as transformações sociais ocorridas no século XX. Bem interessante! 
Outro livro, um projeto bem especial, atual, que irei lançar apenas via Instagram. Um conceito novo! Inspirado como eram feitos os folhetins no passado, uma narrativa literária seriada, no qual a cada semana lançarei capítulos do livro. Pretendo lançar este em alguns dias. A Quarentena me estimulou muito em concretizar este projeto. 
Aqui está sendo a primeira vez que estou falando sobre este livro. Primeira mão! Vocês estão convidadíssimos para acompanhar e comentar sobre este livro. Será uma honra enorme para mim.  

Como é o contato com os seus leitores?
Estou aprendendo ainda... Faz pouco tempo que comecei a usar o Instagram, sou um pouco perdido com redes sociais, toda estas ferramentas online, virtuais. Antes este contato era através de e-mails, as editoras me mandavam comentários, críticas, curiosidades e eu respondia. Agora, ficou mais interativo, fantástico! 

Conte um pouco sobre os seus livros lançados anteriormente.
Tive dois livros muito interessantes. Da série o Pintor, em Bushido de Ouro pela editora Nobel/ Marco Zero e o Pintor em Tekton, editora Novo Século.
Recebe este nome, Pintor, como pseudônimo dado pela Interpol e CIA, para um famoso e procurado ladrão internacional de obras de arte que no local do crime, como assinatura deixa elementos, objetos que remetem a um quadro famoso, uma Masterpiece. Trata-se de uma trilogia (o terceiro estou escrevendo), que são independentes, modulares. O primeiro, Bushido de Ouro, passa parte da história na Ásia, durante a Copa do Mundo de 2002. No qual este ladrão de obras de arte vai atrás de uma encomenda que é o código de honra dos samurais, o Bushido. 
No segundo livro, Tekton, o personagem principal, o Pintor vai atrás de um objeto, o Tekton, que é uma palavra grega que significa construtor, significando também arquitetura, engenharia, marcenaria, carpintaria. Este Tekton seria um pseudo objeto que poderia ter sido feito por Jesus Cristo, quando ainda carpinteiro, registrado pela corporação de ofício da época. A história se passa parte na Itália, boa parte no oriente médio, uma fase na guerra do Iraque e final em Dubai. É bem interessante, estudei muito religião, com foco maior no Cristianismo e coloquei alguns elementos aqui. Vou confessar que o livro Bushido é muito especial para mim, foi o primeiro livro, mas o Tekton foi talvez o que teve melhor avaliação. 

Você tem uma rotina de escrita? Escreve todos os dias?
Não, isso para mim é um problema às vezes. Eu escrevo em períodos, quando tenho tempo. Muitas coisas escrevo durante voos longos que faço, às vezes por causa de fusos horários em quartos de hotéis, outras vezes em casa, no período de entressafra de eventos, quando estou cabeça mais descansada. O problema é que acabo esfriando na história, aí eu preciso ler desde o começo para continuar de onde parei... E a inspiração aparece em momentos  inesperados, as vezes dormindo, aí acordo, paro tudo e registro a ideia. 

Você escuta músicas quando escreve? Se fosse montar uma playlist para Mistérios da Riviera como ela seria? Que tipo de música teria.
Não, quando escrevo eu gosto de ficar apenas com os meus pensamentos, em silêncio, isolado. Quando estou envolvido, escrevendo uma história, tento me transportar ao local, como se estivesse naquele momento participando e assistindo os personagens de perto, como num filme. Eu me transporto mesmo para história. Chego até a sonhar com os personagens de tanto que fico focado nela. É interessante. Neste livro, Mistérios da Riviera, que tem bastante suspense e um pouco de terror, cheguei a ter pesadelos e me assustar em momentos da escrita. A cena final, não quero dar spoiler, fiquei com medo quando comecei a escrever, nem eu imaginava o desfecho que teria... 
Se tivesse que escolher músicas, para este livro, seriam francesas, desde clássicas de Claude Debussy, tradicionais como "La Vie em Rose" de Edith Piaff ,como atuais que são bem legais. No Brasil não tocam muito, mas o rock, pop e até hip hop francês são bem interessantes. 

Você pretende escrever outros gêneros literários também?  Conte sobre projetos em andamento e/ou futuros.
Acho que sem querer acabei me empolgando e meio que respondendo numa pergunta anterior, mas sim tenho a ideia de lançar dois livros este ano. Um de época e outro mais de aventuras, saindo um pouco de romance policial. Depois, gostaria de terminar a trilogia, o Pintor e seguramente uma continuidade para os Mistérios da Riviera, já vou até adiantar, o nome será Mistérios...., mas o local será outro... 

Papo rápido
Um livro: O Físico, de Noah Gordon. Fantástico!  
Um filme: O Poderoso Chefão. Gosto filmes máfia.
Um ator/atriz: Leonardo de Caprio / Meryl Streep. São espetaculares. 
Um personagem: Benhur ( O antigo de Charlton Heston). Filme maravilhoso.  
Um desejo: Saúde e Paz
Gosto de: Viajar
Uma frase: Viver e não ter a vergonha de ser feliz... Cantar e cantar e cantar. A beleza de ser um eterno aprendiz... 

Você pode acompanhar o trabalho do Luigi através do seu Instagram. Quero agradecer a sua disponibilidade e atenção, e desejar muito sucesso a este autor querido.

Participam também do BEDA: Karla | Lunna Obdulio

Comentários

  1. Oi Clauo! Adorei a entrevista e vou passar a seguir o trabalho do autor. Parabéns pela entrevista, sucesso!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário