Pular para o conteúdo principal

#12Livrospara2019 - Janeiro

Olá!
Hoje trago para vocês a resenha do livro A Filha perdida, de Elena Ferrante, Editora Intrínseca. Escolhi este livro para ser o livro de janeiro da nossa TAG #12livrospara2019. Esta TAG é uma parceria com os blog Mundinho da Hanna e Pacote LiterárioNão deixe de passar nos blogs das meninas para conferirem suas postagens!
Todo dia 12 postarei a resenha de um livro que estava na minha biblioteca aguardando a leitura. A idéia é ler livros que são meus e esperam na fila de leitura. 

Sinopse
“As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender.” Com essa afirmação ao mesmo tempo simples e desconcertante Elena Ferrante logo alerta os leitores: preparem-se, pois verdades dolorosas estão prestes a ser reveladas. Lançado originalmente em 2006 e ainda inédito no Brasil, o terceiro romance da autora que se consagrou por sua série napolitana acompanha os sentimentos conflitantes de uma professora universitária de meia-idade, Leda, que, aliviada depois de as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá com o pai, decide tirar férias no litoral sul da Itália. Logo nos primeiros dias na praia, ela volta toda a sua atenção para uma ruidosa família de napolitanos, em especial para Nina, a jovem mãe de uma menininha chamada Elena que sempre está acompanhada de sua boneca. Cercada pelos parentes autoritários e imersa nos cuidados com a filha, Nina parece perfeitamente à vontade no papel de mãe e faz Leda se lembrar de si mesma quando jovem e cheia de expectativas. A aproximação das duas, no entanto, desencadeia em Leda uma enxurrada de lembranças da própria vida — e de segredos que ela nunca conseguiu revelar a ninguém. No estilo inconfundível que a tornou conhecida no mundo todo, Elena Ferrante parte de elementos simples para construir uma narrativa poderosa sobre a maternidade e as consequências que a família pode ter na vida de diferentes gerações de mulheres.
Minhas impressões
Este é o segundo livro que leio da Elena e mais uma vez gostei muito da leitura. Forte, impactante e reflexivo. Começo a leitura me identificando com Lena, uma mulher madura, separada, com duas filhas moças, que naquele momento moravam com o pai em outro país, no Canadá.

A história é ambientada na Itália, o que sempre me desperta ainda mais interesse na leitura. Lena é professora universitária e aproveita suas férias, para alugar um apartamento numa cidade litorânea. Ao frequentar sempre a mesma praia, ela começa a observar e analisar um grupo de frequentadores. Uma família napolitana, que remete à família de origem dela. Uma mulher jovem e sua filha, chamam a atenção de Lena. O relacionamento das duas, a cumplicidade que demonstram atraem a atenção da nossa protagonista.

Ao mesmo tempo que observa mãe e filha, cenas vivenciadas, memórias familiares lhe vêem a tona. Em breves diálogos com esta dupla e sua cunhada, grávida, descobrimos passagens na vida de Lena que causam estranheza nestas mulheres ( e nos leitores). Temas como compromisso, relação materna, relacionamento conjugal, dilemas na profissão, sentimentos contraditórios e emoções desencontradas, fazem parte desta trama interessante e diferente.

Não espere um livro ágil, cheio de aventuras, mas sim um livro reflexivo, escrito numa linguagem vigorosa e provocadora. Até que ponto vale a pena abrir mão de segurança para ir atrás dos seus anseios? Me identifico com o que vejo ou com o que desejo ver? São alguns dos questionamentos que este intrigante livro me trouxe. 

As afirmações e reflexões de Elena são outro ponto alto do livro. Eu adorei e separei várias passagens que me chamaram muito a atenção e compartilho com você. A primeira é a que abre a sinopse. 

“As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender.” (página 06)


" As línguas, para mim, têm um veneno secreto que de vez em quando aflora e para o qual não há antídoto" (página 20)

"Nas conversas com minhas filhas ouço palavras ou expressões omitidas. Às vezes, elas ficam com raiva e dizem mamãe, eu nunca falei isso, é você que está dizendo, você inventou isso, Mas eu não invento nada, só escuto, o não dito fala mais do que o dito" (página 39)


"Ler e escrever sempre foram minha forma de me acalmar" (página 60)

"O cansaço físico é uma lente de aumento" (página 99)

"...Uma mãe não é nada além de uma filha que brinca..." (página 152)

Sobre o livro
Achei a capa muito bonita e adorei a combinação de cores forte e mediterrâneas. A diagramação é ótima, páginas amarelas, letras em tamanho confortável, bom espaçamento, revisão impecável. A Intrínseca caprichou nesta bela edição.

A Filha perdida
Autor: Elena Ferrante
Tradutor: Marcelo Lino
Ano: 2016
Páginas: 176
Editora: Intrínseca
Adicione no Skoob
Para comprar: Intrínseca | Amazon




Comentários

  1. Oi Clauo, realmente parece ser um livro bem reflexivo e que marca a gente. Gosto de livros assim. Bjks!

    ResponderExcluir
  2. Oi Clauo! Adoro esse tipo de leitura e a autora realmente tem esse perfil de jogar ao leitor material pra reflexões sobre relações e sobre o dia a dia! Quero ler! Beijos! Karla Samira

    ResponderExcluir
  3. Oi, Clauo!
    Eu também adoro histórias ambientadas na Itália. Gostei da premissa desse, das relações familiares e por trazer reflexões. Ainda não li nada dessa autora e gostei da dica. bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Maravilhoso Bistrô Francês | #12LivrosPara2021 | Julho

  Olá! Hoje é dia da TAG #12LivrosPara2021. Esta TAG é uma parceria com os blogs  Mundinho da Hanna  e  Pacote Literário . Todo dia 12 de 2021 postarei a resenha de um livro que estava na minha biblioteca aguardando a leitura. A ideia é ler livros que são meus e esperam na fila de leitura. Se você quiser relembrar as postagens de 2020 é só clicar  aqui . Este é o livro de julho da nossa TAG #12livrospara2021. Que surpresa boa! Eu adorei esta leitura. Um livro que me proporcionou duas viagens, uma pela Bretanha, localizada na França, que tenho muita vontade de conhecer. Outra viagem foi muito especial, acompanhar o mergulho da personagem no seu próprio universo, por ela desconhecido. O livro começa com Marianne Messmann tentando se matar ao pular no Rio Sena, numa viagem à Paris com seu marido. Marianne vive um casamento sufocante, sem graça e sem afeto. Ela é resgatada por um pescador e levada à um hospital. Lá encontra um azulejo pintado de um porto francês e se encanta com a paisagem

#TBRdeJunho

O que você pretende ler em junho? Você costuma fazer #TBR? Sabe o que é uma TBR? A sigla TBR significa To Be Read. Ou seja, são os livros que você deseja ler. Muitas pessoas montam suas TBR mensais. Confesso que não tinha o costume de fazer a minha, mas estou me aventurando. Alguns livros furam a fila, outros demoram um pouco mais para serem lidos e tudo bem, tenho esta flexibilidade. Estas são as leituras que programei para este mês! Pretendo acrescentar outros no decorrer do mês, mas a princípio estes são os livros que eu tenho certeza que vão me acompanhar:⁣⁣ ⁣⁣ 📖 Água fresca para as flores, Valérie Perrin, @intrinseca - para a nossa Leitura Coletiva MãeLiteratura #LCmaeliteratura⁣⁣ 📖 Na Estrada com o ex, Beth O´Leary, @intrinseca ⁣⁣- para o Clube da Leitura MãeLiteratura⁣⁣ 📖 Lar em chamas, Kamila Shamsie, @Grua_livros - para o #12livrospara2022 de junho 📖O que é que ele tem, Olívia Byington, @editora_objetiva, para o nosso Clube @CompanhiadasLetras deste mês⁣⁣ 📖 Maria Bonita,

Nossa Semana #22

Olá! Hoje eu quero te contar como foi a nossa semana por aqui. Uma semana com vários eventos lindos! Teve Clube da Leitura, musical, circo, muito trabalho, ótimas leituras e aconchego, semana de friozinho gostoso por aqui.   Eu amo organizar minhas leituras e estou usando o Diário de Leitura , que recebi em parceria com a Fina Folha Papelaria . Adoro os produtos desta papelaria mais que especial! Aqui um pouquinho das leituras desta semana. Com este tempinho frio, que eu amo, aproveito para fazer sopas. Adoro este tipo de jantar. Aqui uma sopa de grão de bico com calabresa. Ficou uma delícia. Na quarta feira tivemos a segunda discussão do nosso Projeto Jorge Amado, As Mulheres de Jorge Amado, em parceria com a Companhia das Letras. Discutimos o livro Dona Flor e seus dois maridos. Foi muito sensacional!   Na sexta feira, eu, a Letícia, minha irmã Fernanda e a Bia, minha sobrinha e afilhada, assistimos a reestreia de PETER PAN, O MUSICAL, no Teatro Alfa. Foi lindo!⁣  Leia o post complet