Pular para o conteúdo principal

Cartas de Amor de Paris- Resenha


Você gosta de ler romances? Gosta de histórias reais que deram certo e tiveram um final feliz? Gosta de ler um livro gostoso, sem grandes dramas, leve, delicioso? Então este é um ótimo livro para você!


Samantha Vérant começa o livro contando como se sente fracassada, não só no seu casamento, mas também no seu trabalho. Está naquele momento em que nada parece dar certo. Numa conversa com sua melhor amiga lembra de um rapaz que conheceu numa viagem à Paris, há 20 anos. Na época vivenciaram um romance instantâneo, ultra rápido e se despediram, com o francês prometendo manter contato. Cumprido a promessa Jean-Luc lhe escreve sete cartas e ela não as responde. As cartas ficam guardadas numa pasta, esquecidas, até este momento de crise. Samantha quer se comunicar com Jean-Luc, mas como fazer isso depois de 20 anos?! 

Ela tem a idéia de criar um blog e fazer postagens sobre as sete cartas. Manda um e-mail pra ele e a história é retomada. Entre idas e vindas, entre EUA e França. Crianças, cachorros (parte emocionante no livro), confusões, expectativas, risadas, romance, sonhos...ingredientes poderosos numa história de amor real. Claro que me identifiquei com a Samantha. Fui procurar o blog dela e ele é muito legal.
Termino o livro com uma sensação muito boa. Nada como degustar um bom romance. 

Não entendo porque eles insistem em traduzir o título numa "adaptação livre". Desta vez Sete Cartas de Paris virou aqui Cartas de Amor de Paris...

Achei muito bacana ver as diferentes capas de edições em outros países:
Edição Brasileira
Edição na Bulgária
Eslováquia
República Tcheca
Edição Americana
Nova Zelandia
Achei a edição americana bonita e simbólica. A nossa também é bonita, gostei da edição da Nova Zelândia também. Qual edição você gostou mais?

Samantha e Jean-Luc:



Todas as fotos eu tirei do blog da Samantha, visite aqui

Sinopse:
Cartas de Amor de Paris - Vinte anos depois do primeiro encontro, Samantha finalmente descobre o amor de sua vida...
Aos 19 anos, Samantha Vérant conheceu o encantador Jean-Luc em uma curta viagem à França. Eles aproveitaram o clima romântico de Paris e, quando ela voltou para casa, ele escreveu sete lindas cartas de amor – que ela nunca respondeu.
Vinte anos mais tarde, à beira de um divórcio e se perguntando em que ponto sua vida começou a dar errado, Samantha encontra as cartas de Jean-Luc. Ela então o procura na internet para enfim responder às cartas com um longo pedido de desculpas atrasado. Então rapidamente descobre que a conexão entre ambos continua tão forte quanto no dia em que ela o deixou sozinho em uma plataforma de trem em Paris.
Samantha sabe que ir à França para reencontrar o homem com o qual dividiu apenas um dia ensolarado e cheio de paixão é loucura! Mas é por este tipo de loucura que ela tem esperado a vida inteira...SKOOB



Comentários

  1. Títulos de filmes e livros têm um único propósito: capturar sua atenção e te convencer a consumi-los em uma fração de segundos. Nessas, nem sempre são fiéis aos nomes originais (tanto que, muitas vezes, quem escolhe os títulos é a equipe de publicidade). Enfim... isso pode dar muito certo, ou te induzir ao erro. No caso desse livro, por exemplo: a inclusão de "amor" no título deixa claro que é uma história romântica; a capa nacional enfatiza isso ainda mais - resultado: quem gosta de histórias desse tipo, já se interessa imediatamente. Mas não funciona com todo mundo (tipo: eu). Não gosto de histórias melosas, então essa capa e esse "amor" já me afastam (mesmo que a trama não seja, de fato, melosa). Se eu visse esse livro com a capa da Bulgária ou da República Tcheca (minhas preferidas) e com o título "Sete cartas de Paris", com certeza me interessaria de cara. É um risco que a empresa corre. Não dá para agradar a todos, né?...rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Nossa, agora que vi o comentário publicado, notei que ficou enorme! Hahaha...desculpe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei sua resposta e concordo com vc. Aqui eu acho que o título foi um tiro no pé. Mil vezes melhor seria manter Setes Cartas de Paris, ne?!
      Enorme nada...adoro comentários, sempre, ainda mais de pessoas queridas como vc :) Bjks mil

      Excluir
    2. Bicando o comentário, rs, acho q se mantivesse o título e usasse uma das capas q eu e a Michelle mais gostamos, daria certo tbm!
      Essas capas melosas dão muito certo com Nicholas Sparks, q já é conhecido por histórias assim, né... meloooosas... rs

      Excluir
    3. Tbe pensei nisso!
      Nao curto muito as capas tipo Sparks...tbe prefiro as desenhadas.

      Excluir
  3. Ain... gostei da história! Adoro romances assim e qndo são histórias reais... como não gostar ainda mais? rs
    Gostei das capas da Bulgária, da República Tcheca e da Americana. Fico meio com preguiça dessa coisa brasileira de transformar o livro logo num filme e colocar fotos nas capas... Gosto das coisas mais sutis... Na verdade talvez seja tbm pq transformar os livros em "reais" (filmes) é decepcionante e aí associo as coisas... Talvez se fosse a foto do casal verdadeiro na capa eu gostasse um pouco mais rs. Mas, definitivamente, prefiro as com desenhos! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Maravilhoso Bistrô Francês | #12LivrosPara2021 | Julho

  Olá! Hoje é dia da TAG #12LivrosPara2021. Esta TAG é uma parceria com os blogs  Mundinho da Hanna  e  Pacote Literário . Todo dia 12 de 2021 postarei a resenha de um livro que estava na minha biblioteca aguardando a leitura. A ideia é ler livros que são meus e esperam na fila de leitura. Se você quiser relembrar as postagens de 2020 é só clicar  aqui . Este é o livro de julho da nossa TAG #12livrospara2021. Que surpresa boa! Eu adorei esta leitura. Um livro que me proporcionou duas viagens, uma pela Bretanha, localizada na França, que tenho muita vontade de conhecer. Outra viagem foi muito especial, acompanhar o mergulho da personagem no seu próprio universo, por ela desconhecido. O livro começa com Marianne Messmann tentando se matar ao pular no Rio Sena, numa viagem à Paris com seu marido. Marianne vive um casamento sufocante, sem graça e sem afeto. Ela é resgatada por um pescador e levada à um hospital. Lá encontra um azulejo pintado de um porto francês e se encanta com a paisagem

#TBRdeJunho

O que você pretende ler em junho? Você costuma fazer #TBR? Sabe o que é uma TBR? A sigla TBR significa To Be Read. Ou seja, são os livros que você deseja ler. Muitas pessoas montam suas TBR mensais. Confesso que não tinha o costume de fazer a minha, mas estou me aventurando. Alguns livros furam a fila, outros demoram um pouco mais para serem lidos e tudo bem, tenho esta flexibilidade. Estas são as leituras que programei para este mês! Pretendo acrescentar outros no decorrer do mês, mas a princípio estes são os livros que eu tenho certeza que vão me acompanhar:⁣⁣ ⁣⁣ 📖 Água fresca para as flores, Valérie Perrin, @intrinseca - para a nossa Leitura Coletiva MãeLiteratura #LCmaeliteratura⁣⁣ 📖 Na Estrada com o ex, Beth O´Leary, @intrinseca ⁣⁣- para o Clube da Leitura MãeLiteratura⁣⁣ 📖 Lar em chamas, Kamila Shamsie, @Grua_livros - para o #12livrospara2022 de junho 📖O que é que ele tem, Olívia Byington, @editora_objetiva, para o nosso Clube @CompanhiadasLetras deste mês⁣⁣ 📖 Maria Bonita,

Nossa Semana #20

Olá! Hoje eu quero te contar como foi a nossa semana por aqui. Esta semana continuo fria! Chegou uma frente fria que derrubou as temperaturas por aqui e ela ainda não foi embora. Tivemos passeio encontros especiais, Clube da Leitura, ótimas leituras, academia quase todos os dias e muito trabalho . Você também sai carregada assim de casa? Olha eu na segunda feira! Marmita, sacola com material de trabalho, jaleco, mala de academia, porque se for para casa eu nao volto para malhar... Friozinho delícia! Eu amo! Zacarias bem quentinho de roupinha por aqui. Mesmo com o frio, fui a semana toda na academia, menos na sexta, pois acompanhei meu pai numa consulta. Lá dentro é bem quente, então treino de shorts e regata, mas na saída estava gelado, por isso, roupas quentinhas para ir casa e vamos que vamos. Esta semana, consegui aproveitar duas vezes, meia hora do meu almoço no trabalho, para ler. Amo estes momentos, são muito bons e me fazem muito bem. Da série, as alegrias que os livros me traze