Eu Li: Maria Clara - A Filha do Coronel


Olá queridos leitores
Hoje trago para vocês a resenha do livro Maria Clara, a filha do coronel, um romance muito bonito, de Virgílio Pedro Rigonatti,  linda edição da Autoridade.



Sinopse
O coronel Lucas Vasco era considerado um homem bom. Protegia os amigos e os seguidores. Sua trajetória se confunde com a história da cidade de Arari, em Minas Gerais, que mantinha sob controle, usando, inclusive, de violência e intimidação. Além disso, usava seu poder político e econômico para ter as mulheres que desejasse. Dentre todas as amantes que ele mantinha, Maria Custodio era a preferida dele, e dessa relação nasceu Maria Clara. O relacionamento dos dois foi mantido por alguns anos, ainda que ele nunca tenha dado atenção à filha ou sequer reconhecido a paternidade oficialmente. A menina, que sabia da situação, não se deixava abalar: o amor que recebia da mãe era suficiente. Foi assim que Maria Clara cresceu no pequeno povoado: saudável e feliz, apaixonada pelos estudos e sempre atenta à passagem da Maria Fumaça pela estrada de ferro Mogiana, a qual podia ver pela janela de sua casa. E isso tudo é só o começo. Neste livro que mistura biografia e ficção, Virgilio Pedro Rigonatti conta a encantadora história de sua mãe Maria Clara, que sempre levou a vida de maneira inspiradora e positiva − e que merece ser contada a todo mundo.

Minhas impressões
Gostei muito desse livro. Foi uma leitura extremamente interessante e rica de detalhes, sentimentos e afeto. Conta a história de Maria Clara, uma moça meiga, esforçada e ingênua que nasceu no começo do século passado, filha ilegítima de um coronel com uma de suas amantes. Eu achei bonita a forma sincera que o autor fala sobre a história de vida da sua avó, não escondendo suas origens. A avó nasceu muito pobre e não teve muitas oportunidades na vida.

Maria Clara novinha ainda se apaixona pelo primeiro namorado, mas este não ousa enfrentar seu pai, que era uma pessoa preconceituosa e apesar de receber Maria Clara em sua casa, como amiga da sua filha, não aprovou o casamento deles. Em seguida Maria Clara conhece um outro rapaz, Virgilio, filho de italianos e eles se apaixonam e se casam rapidamente e dando início à sua família.

Eu conheci o autor deste belo livro na Bienal do Livro de São Paulo deste ano. Virgilio é um senhor muito educado, atencioso, de voz baixa, que transmite uma energia muito boa. Comecei a ler este livro animada, imaginando que fosse gostar e "ouvindo" sua voz na narração da sua saga familiar.
Virgílio começou a escrever depois dos 60 anos e já escreveu 4 livros. Me contou que ele sempre foi o contador de histórias da família e que conforme ele foi ficando mais velho, aumentava a preocupação de que essa memória familiar, pudesse se perder como acontecem com tantas famílias. Estas explicações estão presentes no último capítulo do livro, chamado de "sua vida dá um livro".

A sua escrita é muito boa, ele é um contador de histórias nato e contextualiza muito bem o período histórico da trama. As curiosidades da época, como as plantações de café, as estradas de ferro, estão presentes no livro. Maria Clara tornou-se uma conhecida modista em sua cidade e detalhes deste período são explorados pelo autor de forma bastante interessante. Recomendo muito a leitura inspiradora.

Maria Clara - A conquista de um lugar ao sol é o livro que dá continuação à esta história tão bonita. Ele já chegou aqui em casa. Claro que eu estou muito curiosa para ler e trazer a resenha para vocês.

Sobre o livro
Achei a capa linda, ela ilustra bem o livro e representa temas do livro, principalmente o café e a maria fumaça. A diagramação é ótima, páginas amarelas, letras em tamanho confortável, bom espaçamento, revisão impecável. A leitura  é  fluida e interessante, a mistura de dados biográficos com ficção prende a atenção do leitor, do início ao fim. 


Sobre o autor
Nascido em 22 de março de 1948, no bairro de Vila Anastácio, na cidade de São Paulo, Virgilio Pedro Rigonatti começou a escrever aos 60 anos. Desde sempre o contador oral das riquíssimas histórias da família, descobriu um prazer imenso em escrever ao registrar em um blog a trajetória do clã. Após lançar seu primeiro livro, Maria Clara, a Filha do Coronel, pela Editora Gente, romance baseado na vida de sua mãe, decidiu fundar a sua própria editora, a Lereprazer, cujo título de estreia é Cravo Vermelho, uma história sobre 1968, o ano mais tenso da ditadura.



Maria Clara - A Filha do Coronel
Autor: Virgílio Pedro Rigonatti,
Ano: 2016
Páginas: 473
Editora: Autoridade
Classificação 5/5
Livro cedido pelo autor
Adicione no Skoob
Para comprar: Autoridade | Amazon

Este post faz parte da Maratona de Setembro Interative-se. Nesta semana,  17 à 23 de setembro, teremos posts diários desta maratona, acompanhe comigo!

Comentários

  1. Gosto de ler histórias reais, onde as pessoas dividem passagens e fatos interessantes da história da sua família. Ao ler você falando sobre o autor, por alguns momentos me lembrei de estar sentada ouvindo minha avó contar antigas histórias de parentes que eu sequer conheci. Gostaria de ter aproveitado mais esses momentos. Acho que a leitura do livro me traria uma sensação parecida. Adorei saber que o autor começou a escrever depois dos 60 anos. Nunca é tarde demais para fazer alguma coisa enquanto estivermos vivos não é?

    ResponderExcluir
  2. Amei! Eu gosto muito de livros assim e que trazem essas curiosidades de épocas passadas. Eu fico um tanto nostálgica e adoro!
    E achei fantástico o autor ter começado aos 60 anos, nunca é tarde!
    E por fim, o que dizer dessa capa? Maravilhosa!

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Que bonito isso! Adoro histórias assim, caprichadas nos detalhes, sem pesar a mão! Ele me inspirou na vontade de escrever! Projeto próximo (segredinho!)
    Cada vez mais me encanto com seu blog, amiga (me permita lhe chamar assim , por favor!) Grande beijo!

    ResponderExcluir
  4. Oi Cláudia!
    Ao ler a sinopse, achei interessante o fato da história se passar em Minas, mas não me despertou grande interesse. Só que você conseguiu reverter isso muito bem quando falou do livro. Gostei de saber da prosa boa do livro, de como o autor usa as histórias para contar memórias e como ele ressalta a importância disso para mantê-las vivas e seguir adiante para outras gerações.
    Adorei demais que ele tenha começado a escrever, mesmo já na madura-idade, mostrando que qualquer tempo é tempo de criar novos projetos!
    Adorei a indicação!
    xoxo

    ResponderExcluir
  5. Adorei a capa do livro e a maneira que você fez a resenha me deu até uma nostalgia, que me deu vontade de conhecer mais sobre Maria Clara :)
    Interessante saber que ele virou escritor aos 60 anos, uma inspiração pra pessoas que pensam que estão velhas para fazer qualquer coisa diferente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Adoro ler livros com essa tematica, e achei incrivel a premissa deste. Fiquei mais curiosa ainda sobre maria clara. Amei a escrita e o autor.
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário