Entrevista para a Revista Conexão Literatura

Eu Li: E Foram Deixados Para Trás, de Lício de Araújo Vale.

Olá!
A indicação de hoje é sobre um tema muito sério e difícil, mas que é necessário discutir, suicídio.
Quando soube do lançamento do livro E Foram deixados para trás - uma reflexão sobre o fenômeno do suicídio, escrito pelo padre Lício de Araújo Vale, da Edições Loyola fiquei muito interessada. Primeiro porque este é um tema que estudo desde o início da minha profissão. Também me chamou a atenção pelo prefácio do livro, escrito pelo Dr Neury Botega, um grande psiquiatra brasileiro autoridade neste tema. Acompanho o trabalho do Dr. Neury há bastante tempo e inclusive ele validou aqui no Brasil um importante questionário psicológico, que utilizei na minha tese de mestrado.  

Padre Lício escreveu um livro importante, interessante e necessário. Sua leitura não é difícil, nem pesada, embora o tema seja. Encontrou um tom que conforta, esclarece e orienta. Padre Lício mostra que o acolhimento, o não se sentir abandonado é muito saudável e importante. Fiquei muito, muito feliz com a ênfase que ele atribui à importância do tratamento psicológico, ou na falta deste a algum outro tipo de ajuda. O livro funciona como um guia de orientação, e mais ainda como um alento, uma luz no fim do túnel.

Meu livro ficou cheio de post-it, de marcações. Li o livro balançando a cabeça, concordo com a fala de Padre Lício.  Ele explica que a prevenção ainda é o melhor caminho, bem como falar sobre o tema, principalmente com os familiares que sente-se perdidos, abandonados e na maioria das vezes não entendem ato tão extremo. Padre Lício faz uma reflexão sobre o fenômeno do suicídio, partir de sua experiência pessoal e pastoral. Um dos pontos mais interessantes do livro é que vários líderes de diferentes religiões são convidados para explicar como o suicídio (e o suicida) são tratados dentro da sua crença. Outro capítulo diferente e corajoso é o que trata do suicídio de líderes religiosos.


"Receber ajuda, ser ouvido, poder falar mais sobre o assunto são atitudes importantes para quem pensa em se matar e para quem ficou, para quem viveu o suicídio de perto, mas está vivo, deixado aqui neste mundo por alguém que tanto amava. Essa dor também tem consequências que não podem ser silenciadas."


Sinopse: Padre Lício De Araújo Vale, filho de um suicida, ex-secretário executivo do Regional Sul 1 da CNBB (SP), aborda o tema suicídio a partir de sua experiência pessoal e pastoral, somada a uma cuidadosa pesquisa e depoimentos de diversas religiões sobre o assunto – catolicismo, protestantismo, protestantismo pentecostal, neopentecostal, judaísmo, islamismo, budismo, espiritismo, umbandismo e candomblé. Também discorre sobre um assunto que dificilmente nos é apresentado, o suicídio de líderes religiosos. Fala da retomada da vida depois do luto e dedica um capítulo inteiro para indicar onde é possível procurar ajuda. Não tenho dúvidas de que estas páginas vão lhe trazer boas inspirações. Ao final delas, você terá um novo jeito de olhar a vida. E a vida terá para você ainda mais valor (Dalcides Biscalquin). Este livro chega em boa hora, em um momento de aumento do número de reportagens sobre o suicídio entre os jovens. Que as reflexões tão sensíveis e francas aqui contidas possam auxiliar pais e filhos a dialogarem sobre as dores da existência, sobre transtornos mentais, sobre como podemos estar mais atentos e solidários, para cuidarmos bem de nós e dos outros (Dr. Neury José Botega)
Composição da minha avaliação: (cada item vale até 1 ponto): 
Capa: 1,00
Trama: 1,00
Diagramação: 1,00
Desenvolvimento e narrativa: 1,00
Revisão: 1,00
Nota: 5,00 - excelente
Livro cedido como cortesia pela editora
Adicione o livro no SKOOB
A capa do livro é muito bonita. Eu gostei muito da diagramação, letras em tamanho confortável, bom espaçamento. Páginas amareladas. São nove capítulos, escritos numa linguagem clara e muito interessante. A leitura é fluida e de fácil entendimento.

Ficha técnica
Título: E Foram deixados para trás - uma reflexão sobre o fenômeno do suicídio
Autor: Lício de Araújo Vale
Ano: 2017
Páginas: 136
Idioma: português 
Editora: Loyola


Sobre o autor: Padre LÍCIO DE ARAÚJO VALE é bacharel em Filosofia pela PUC-SP e em Teologia pela Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção. É padre diocesano desde 1983, incardinado na Diocese de São Miguel Paulista - SP. Foi secretário executivo do Regional Sul 1 da CNBB (SP) por oito anos (1996-2003).
Atualmente é pároco da Paróquia Sagrada Família de Vila Praia, São Paulo - SP.
NEURY JOSÉ BOTEGA (autor do prefácio) é médico psiquiatra, trabalha no consultório e no Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM Unicamp).

Termino o livro com vontade de conversar com padre Lício e parabenizá-lo pelo belo trabalho, bem como lhe dar um abraço bem apertado.
Você pode adquirir o livro:


Comentários

  1. Oi, Clauo!
    Que livro interessante, eu me interesso pelo assunto, mas por enquanto só tinha lido sob a ótica espírita. Mas, gostaria de ler esse e achei bom que, apesar de ser um tema forte, foi abordado de forma não muito pesada. E concordo, a prevenção é o melhor mesmo.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fê, este livro me surpreendeu muito positivamente
      Leia! Você vai gostar
      Bjs

      Excluir
  2. Oiiii tudo bem??

    Não conhecia esse livro, e a temática tá bem em alta. Também não conheço editora. Que bom que gostou do livro, e concordou com ele, é sempre bom ver todos os pontos de vista né, de um padre deve ser interessante.
    Adorei a resenha.
    Bjsu Rafa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rafaella!
      Tudo bem e vc?
      Obrigada! O livro é ótimo e vale a leitura
      Bjs

      Excluir
  3. Oi, Clau! Tuas resenhas sempre me fazem ter vontade de ler todos os livros! Até esse, cujo tema é bem denso, fiquei morrendo de vontade de ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, Talita!
      Você vai gostar.
      Obrigada, querida
      Bjs

      Excluir
  4. Oi Clauo! Eu também me interesso bastante pelo tema suicídio e sei da importância de ler e discutir sobre o assunto, o que na nossa sociedade ainda não é feito com a devida frequência, pois todos consideram o tema um grande tabu! Esses dias mesmo um padre a quem acompanho aqui de BH estava comentando que o suicídio entre padres e ocupantes de outros cargos na Igreja cresceu demais. Temos acompanhado também a história de vários deles pela mídia, com depressões e outras doenças da alma. Sim, o tratamento psicológico é fundamental e importantíssimo a todos nós. Depois quero ler essa indicação, vou colocar em minha lista.
    Beijos!
    Karla Samira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Karla
      Esta notícias preocupam.
      Leia, você vai gostar!
      Depois me conta o que achou
      Bjs

      Excluir

Postar um comentário