Minhas Conversas com o Diabo (Mario Bentes) - Resenha

Acabei de ler Minhas Conversas com o Diabo, do Mario Bentes, Editora Lendari. Confesso que o livro me surpreendeu muito positivamente.
Este é primeiro livro que recebo pela parceria com a Lendari neste ano. Fiquei muito feliz com esta parceria, pois além de ter sido muito disputada, ela traz uma proposta interessante, com livros diferentes do que normalmente leio.
Quando vi a capa, um lindo trabalho da Gaby Firmo, eu fiquei um pouco temerosa, inclusive quanto ao sucesso desta parceria. Quem me conhece sabe que eu sou medrosa...aquela que não lê livro de terror, porque depois não dorme a noite... ai ai ai, pensei, vou dar vexame logo no primeiro livro da parceria! Mesmo assim resolvi encarar e começar logo a leitura e aí que o mais bacana aconteceu...
Para minha tranquilidade e surpresa a leitura foi deliciosa! Mario Bentes, conta através de sete contos, estórias interessantes, cada uma com um protagonista diferente, mas todas com algo em comum, um pacto "com o diabo" ou seu representante. 
O autor construiu estórias peculiares, com personagens comuns e melancólicos, situações cotidianas, mas dando ênfase a características de personalidades que chamam a atenção. Com isso o enredo passa a ser muito diferente e mantem o leitor curioso e atento à narrativa. As estórias apresentam um clima noir, diferente.

De uma forma geral eu gostei de todos os contos. Achei o primeiro bem pesado, mas os outros, na minha opinião, foram mais interessantes, singelos e por vezes ternos. 
Vou destacar para vocês meu conto preferido, o segundo apresentado, "Topa um acordo, menino?". Neste conto um garoto espera por cinco anos a volta do pai, caixeiro viajante que não retorna de uma das suas viagens. Mora num barraco com mãe e o único passeio é frequentar a igreja evangélica. Mario consegue, especialmente neste conto, trabalhar a singeleza deste menino, sua expectativa com o retorno do pai. Mostra o quanto nos enganamos às vezes imaginando um cenário que não é a realidade. 

"O menino pediu tantas vezes a mesma coisa que, ao finalmente adormecer de cansaço, as mãos permaneceram juntas, como estavam quando ele começou a expressar os desejos mais íntimos de seu coração"(página 56)

Escritos em terceira pessoa, o narrador é um interlocutor interessante e interessado nas estórias e mantém o leitor atento a elas.
A capa é linda, adorei as cores utilizadas. Ótima diagramação, papel polén amarelo, do jeito que eu gosto. Letras em tamanho confortável para leitura. Cada capítulo é apresentado com um pequeno desenho, numa mandala. Nas páginas iniciais o leitor encontrará três imagens antes do texto, uma apresentação e um prefácio. Gostei da dedicatória, nela Mario escreve: para minha mãe, que detestou o título.


Informações do livro:
Título: Minhas conversas com o diabo # livro um
Ano: 2016 
Páginas: 168
Idioma: português 
Editora: Lendari
Livro cedido em parceria com editora
Avaliação: 5/5

Sinopse: “Cortem a criança ao meio e dê cada parte a uma mulher”, disse o Rei Salomão, diante das duas mulheres que reclamavam a maternidade de um bebê. De modo que a mãe verdadeira imediatamente protestou, pois preferia ver o filho ser entregue à outra que assistir a morte do inocente, sangue de seu sangue, diante dos seus olhos. Salomão soube, assim, que esta que agora cedia à disputa era senão a matriarca verdadeira, ao contrário da outra, que concordara com absurda sugestão do rei. A famosa cena é apenas uma amostra da vasta sabedoria do Rei Salomão, que dizem que era inspirado por Deus. Mas há uma lenda antiga que diz que os profundos conhecimentos do rei sobre todas as coisas não vinham unicamente do Criador, mas dos servos daquele que vem, rouba, mata e destrói. No total, Salomão conjurou, ouviu e registrou para si os saberes reunidos de 72 demônios. Ao fim da empreitada, o monarca aprisionou os caídos em um jarro de bronze, o selou e o lançou no fundo de um lago. Mas os babilônios, vendo tal cena, acreditaram que lá haviam tesouros reais e foram resgatar o artefato, sem que ninguém os vissem. Encontraram-no após dias, abriram-no e concederam a liberdade, outra vez, aos 72 anjos da escuridão. Libertos da clausura, voltaram a percorrer o mundo para atentar, ludibriar e mentir contra os homens – cada um com suas artimanhas, joguetes e aparência. Do mesmo autor de “A terra por onde caminho”, “Minhas conversas com o diabo”, de Mário Bentes, reúne uma coletânea de contos onde tais potestades da terra e do ar encontram-se com seres humanos que, ao contrário dos reis e de outros homens de poder, almejavam coisas simples: reconhecimento profissional, rever um familiar desaparecido ou ter uma nova chance pelo amor. Mas os saberes arcanos, repassados pelos caídos, têm seu preço: seja ele em peso de ouro, prata ou carne. E, cedo ou tarde, eles voltam para cobrar a conta.

Sobre o autor: Mario Bentes nasceu em 1984, é jornalista e escritor. Autor do livro "A terra por onde caminho" (Schoba, 2013), e dos contos "O pássaro verde e o velório" (Moedas para o Barqueiro - Andross, 2010); "Sobre as águas" (Histórias Liliputianas - Andross, 2010); "A quinta trombeta" (Moedas para o Barqueiro, Volume 2 - Andross, 2011); "Insuspeito para um caso encerrado" e "O interrogatório do estranho menino" (Jogos Criminais - Andross, 2011).

Você conhecia este livro? Ficou curioso para ler? Me conte, vou adorar!
Aqui no blog  você acompanhará todas as novidades desta nossa parceira querida, a Lendari. Aguarde.

Comentários

  1. Nossa, fiquei curiosa para ler. Achei lindo e emocionante o trecho que você comentou. E parabéns pela parceria. Beijo

    ResponderExcluir
  2. É para isso que servem as resenhas! Eu também sou medrosa (detesto terror) e se visse o livro na estante provavelmente não o compraria. Agora, com teu post, fiquei interessada!

    ResponderExcluir
  3. Só o título já me chamou a atenção. Taí um tipo de livro que super me atrai. Preciso comprar e ler.

    ResponderExcluir
  4. Achei a sinopse e as informações bem interessantes, aparenta ser um livro muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Oi Clau, só pela capa eu não leria o livro porque também sou medrosa. Já fico logo assustada. Mas depois da sua descrição e da explicação do seu conto preferido eu até fiquei curiosa.
    beijos
    Chris

    ResponderExcluir
  6. Olá! Assim como você, sou mega medrosa com livros de terror e fiquei receosa com esse título! Mas que legal que foi uma leitura prazerosa e surpreendente! Ainda não conhecia a editora e achei lindíssima a capa!
    Beijos!
    Karla Samira

    ResponderExcluir

Postar um comentário