Entrevista com a Equipe do Espetáculo A Menina e o Sabiá

Quando assisti o Espetáculo A Menina e o Sabiá muitas perguntas passaram pelos meus pensamentos e foi com muita alegria que eu soube que a equipe do espetáculo A Menina e O Sabiá, tinha respondido minha entrevista! Eles foram super queridos e responderam todas questões. Esta sintonia e cuidado, refletem no lindo espetáculo. Adorei conhecer um pouco mais sobre esta turma tão especial. Compartilho com vocês este bate papo. Confiram:



1) O Grupo Ares foi criado em 2007, quem são as pessoas que o compõe? São sempre os mesmo artistas? Conte um pouco mais sobre o grupo para o MãeLiteratura: 
Respondido por Mônica Alla:
Foi fundado assim que retornei da Holanda, onde morei por vários anos pesquisando e desenvolvendo a linguagem da dança aérea e vertical . O Grupo Ares surgiu da necessidade artística que tive de desenvolver uma linguagem genuína, que combine de modo orgânico as diferentes disciplinas que formam o perfil artístico de cada um de seus participantes.  O Ares é um núcleo artístico de pesquisa e criação que tem como principal objetivo buscar a verticalidade em cena por meio dos mais diferentes aparelhos aéreos, unindo-os a dança , ao teatro corporal e ao circo contemporâneo. 
As criações do Ares sempre buscam algo do sonho, da imagem, de poesia visual, mais do que palavras.  O Núcleo Criativo é composto por artistas vindos de diferentes bagagens (dança contemporânea e urbana, ginastica olímpica, circo, musica, artes plásticas etc) que tem em comum a pesquisa e treinamento em técnicas aéreas, o Ares possui um elenco flexível que pode mudar de acordo com cada proposta de criação.

2) A escolha de locais inusitados para as apresentações me chamou a atenção, quais são estes lugares e por que estas escolhas? 
Respondido por Mônica Alla:
Creio que devido a grande influencia artística e cultural que tive, busquei capitalizar e compartilhar minhas experiências adquiridas no exterior, desenvolvendo uma linguagem própria e diferenciada ao Ares. Eu busquei o teatro fora do teatro, busquei dialogar com a arquitetura presente e transformar o espaço comum em espaço cênico.  Já fizemos espetáculos em piscinas, espelho d'agua, galeria de arte, fábricas, pontes e passarelas, dialogando com obras de grandes arquitetos como: Lina Bo Bardi, Niemeyer, Villanova Artigas...etc. Além dos espaços convencionais também.

3) Como é a preparação dos artistas? Para o espetáculo A Menina e o Sabiá quanto tempo de ensaios e preparação o grupo teve? 
Respondido por Mônica Alla e Miló Martins:
Para criação do espetáculo A Menina e o Sabiá começamos a princípio com uma ideia que então foi desenvolvida em forma e conteúdo. Houve anteriormente uma fase preparatória que durou uns seis meses, passando por etapas como a escrita da dramaturgia (usada como roteiro de ensaio posteriormente), pesquisa da linguagem para a identidade visual feita pela Gasbox, captação de recursos (o espetáculo foi feito com recursos da produtora MMartins e material de acervo do Ares), ​o casting do elenco e de todos os envolvidos na equipe, criação da trilha, figurino, cenografia, etc​. 

Então houve urgência na estréia, pois o Grupo foi convidado pela prefeitura de Salto para abrir o Festival de teatro dessa cidade. Em dois meses precisávamos deixar tudo pronto, tivemos ensaios pontuais todos os dias durante este período, o núcleo se encontra diariamente para pesquisas, ensaios e preparação corporal ​(nosso Núcleo de Pesquisa, o NAC)​. Uma loucura que só foi possível, graças a experiência da direção, da prontidão física do elenco e de uma produção muito ágil. A sintonia grande dos criadores colaborou para a agilidade nesta criação e esta mesma sintonia nos levou a este resultado que está encantado tanta gente. ​É gratificante.

4) Imagino que um dos grandes desafios do espetáculo seja manter a atenção dos expectadores, já que a peça não é falada, mas sim musicada. Fale um pouco sobre este desafio.
Respondido por Mônica Alla:
Na verdade para nós não é um desafio, mas sim um grande prazer trabalhar com esta linguagem sutil, sem palavras, em estilo poético, metafórico e visual, onde as formas falam por si próprias mais do que as palavras, estabelecendo uma comunicação sensorial com a plateia e buscando alcançar através dos sentidos o inconsciente e a percepção do espectador, independente da idade.  Ficamos felizes que tenha gostado!

5) Flor Reeves e Alan Quinquinel fizeram outros trabalhos no teatro com o Grupo Ares. Você pode contar um pouco sobre eles? Suas formações? Os trabalhos que já realizaram?
Respondido por Alan e Flor:
Eu, Flor, sou formada em design gráfico na Argentina, mas durante toda minha vida tive um forte desenvolvimento e vínculo com atividades físicas. Minha base vem da ginástica olímpica, passando por diversas atividades e esportes até se encontrar com o circo 13 anos atrás para nunca mais parar.  Mudei da Patagonia para São Paulo com intuito de continuar desenvolvendo e aprofundando meus conhecimentos e experiências artísticas, encontrando aqui no Brasil muitas novas possibilidades e linguagens de experimentação. Trabalhei com diversas companhias, tanto no Brasil como na Argentina, até começar no Grupo Ares. Os princípios de coletividade, experimentação, e liberdade na criação, junto dos resultados caprichosamente dirigidos são alguns dos aspectos principais que me deixam orgulhosa e feliz em fazer parte deste grupo. Na Menina e o Sabiá especificamente é resultado de um trabalho feito com muito carinho e profissionalismo por todos os integrantes da equipe, que permitiu esse resultado imagético e delicadamente elaborado com o fim de encantar as crianças e o público em geral :)

Eu, Alan Quinquinel, sou paulista, formado em artes visuais pela Unesp e praticante das artes circenses há 8 anos. Tomei contato com a linguagem específica da dança aérea em 2010, participando do espetáculo do grupo catalão La Fura Dels Baus no Memorial da América Latina.  Estudei ainda pole dance, tecido e lira em algumas escolas de São Paulo, participando de campeonatos e festivais. Atuei em alguns coletivos artísticos urbanos, como o Buraco da Minhoca, Casa Amarela e Organismo Parque Augusta. Atualmente leciono circo em escolas e academias de São Paulo. 
Me identifico com a linguagem delicada do Grupo Ares e com a preocupação estética que sempre damos ao acabamento e finalização dos movimentos. Existe uma constante busca pela leveza e sutileza no gesto, contrapondo-se a rigidez própria dos aparelhos utilizados, num trabalho árduo de lapidação de cada cena. O processo criativo utilizado pelo grupo busca extrair de cada performer sua paleta pessoal de movimentos, que são posteriormente desenvolvidos e lapidados com mais profundidade, criando uma linguagem muito pessoal e única. No caso específico da "Menina e o Sabiá", além de toda a técnica acrobática, sincronia e afinação, existe uma extrema necessidade de que haja intenção em cada cena, e que esta intenção se traduza em gesto, talvez ainda mais por não haver fala alguma durante todo o espetáculo. Uma experiência única que tem me fascinado dia após dia.

6) Acompanhei com grande alegria no último sábado o Teatro Consolação lotado, com uma grande fila de espera. Conte-nos sobre esta temporada aqui em São Paulo.
Respondido por Miló Martins:
Foi uma enorme felicidade estrear em São Paulo, justamente no Teatro Anchieta, no Sesc Consolação, um espaço muito querido e especial para mim e pra Mônica. Todas as datas até agora aconteceram com o teatro lotado, no último sábado realmente tivemos uma enorme fila de espera por ingressos e acreditamos que esgotará antes de chegar ao dia 16/07, última data no Consolação. O público sai encantado, elogiando, todos querem tirar fotos com o sabiá com a menina, sempre tem um grande assédio no final. Enorme alegria vivênciar tudo isso!!! 
Acredito ainda que não adianta ter um bom espetáculo se o público não ficar sabendo que ele existe, então o trabalho de comunicação da Tatiana Pugliesi/Cais Cultura, nossa assessoria de imprensa foi muito bem feito e fundamental para este sucesso.


7) A Menina e o Sabiá seguirá em turnê? Vocês já pensam nos novos projetos para os próximos meses?
Respondido por Miló Martins:
Depois do Sesc Consolação, o espetáculo seguirá para o Sesc Itaquera (dias 27 e 28/08) e pretendemos muito circular por todo o Brasil com ele. Estamos recebendo contato de contratantes interessados e tudo vem sendo negociado e cuidado com muito carinho. Temos uma super equipe competente de produção, coordenada pela Marinella Corradini, que atua na produção geral e nas estratégias de venda, e a BenzaDeus Produtora, responsável pelo nosso agenciamento.

E vocês? O que acharam da entrevista? Me contem!

Ficha Técnica – A Menina e o Sabiá  
Direção, Criação e Coreografia: Monica Alla
Direção, Idealização e Dramaturgia: Miló Martins  
Elenco: Alan Quinquinel e Flor Reeves  
Figurinos e Cenografia: Marcio Vinicius - Mais Cenografia  
Design de Luz: Miló Martins  
Trilha Sonora Original: Fernando Narcizo, Evaldo Luna e Ivan Teixeira
Músicas na Trilha Sonora: Sabiá lá na gaiola (de Hervê Cordovil e Mario Vieira) e Ayú (Fernando Barba/Barbatuques)
Operador de Som: Fernanda Guedella  
Coordenador Riggers: André Caldas - Acrobático Fratelli  
Equipe Riggers: Vagner Assalti e Ricardo Leite  
Produção Executiva: Marinella Corradini e Miló Martins  
Agenciamento: Benzadeus Produtora  
Assessoria de Imprensa: Tatiana Pugliesi - Cais Cultura  
Design Gráfico e Fotografia: Gasbox Studio  
Realização: Miló Martins Produções & Grupo Ares  


Comentários