Minhas Leituras de Maio

Autora do Mês: Leticia Wierzchowski

Olá!!
Hoje trago para vocês a autora do mês. Todo mês faço minha homenagem a um autor ou autora que eu admiro muito, entre os meus preferidos. Se você quiser relembrar a primeira homenageada clique aqui.

Para este mês, minha homenageada é a autora Leticia Wierzchowski. Eu ADORO a escrita da Leticia! O primeiro livro que li dela foi A Casa das sete mulheres e foi através dele que Leticia ficou ainda mais conhecida. Desde então acompanho com entusiasmo e atenção a trajetória e o trabalho desta excelente escritora.

Vamos conhecer um pouco mais sobre ela? Achei esta biografia no site do Grupo Editorial Record, que lançou várias das suas obras. 
Leticia Wierzchowski nasceu em Porto Alegre, RS, em 1972, e estreou na literatura em 1998 com o romance O anjo e o resto de nós. A autora é considerada uma das maiores revelações da literatura nacional do início do século XXI. Uma das raras escritoras a perceber e a traduzir, em palavras, a personalidade, o sentido e o poder de ação de personagens e cenários brasileiros. Em 2003 o romance A casa das sete mulheres foi adaptado pela Rede Globo em uma série de 50 capítulos. Desde então, a produção televisiva já foi veiculada em quase 30 países, e a obra de Leticia ganhou caminhos internacionais. Ela tem livros editados na Espanha, Portugal, Grécia, Itália e Sérvia-Montenegro.

Em 2017 A casa das sete mulheres foi relançado pela Bertrand Brasil, também do Grupo Editorial Record, bem como seus dois mais recentes laçamentos, Um Farol no PampaTravessia: a história de amor de Anita e Giuseppe Garibaldi , completando assim esta trilogia.
Além de A Casa das sete mulheres, li O Pintor que escrevia e Sal. Este mês separei para ler Navegue a lágrima, pois um dos grupos literários que participo  a elegeu como a autora do mês. Pretendo ler toda sua obra. Você poderá acompanhar minhas leituras aqui no BLOG.

“Lembra Rachel de Queiroz em seus anos sentimentais e dá um toque feminino à literatura gauchesca.” Revista Época

“A Casa das Sete Mulheres é um romance histórico daqueles em que o fascínio da história – nossa sempre reavaliável revolução de estimação – é complementado pela arte também irresistível do romance bem construído.” Luis Fernando Verissimo

“Leticia faz parte de uma nova geração de escritoras brasileiras que dá seu recado com competência, coragem e emoção.” Moacyr Scliar

Acompanho o trabalho da Leticia através das redes sociais. Além de muito talentosa, ela é sempre muito simpática e atenciosa. Uma lindona!
A escrita da Leticia é muito bonita. Suas tramas contam com mulheres fortes e personagens sempre interessantes e bem construídos


OBRAS
Romances
Eu@teamo.com.br (86 págs.) – 1999, LP&M
O Anjo e o Resto de Nós (224 págs.) – 1998, 2001, Record
O Pintor que Escrevia (144 págs.) – 2003, Record
Cristal Polonês (176 págs.) – 2003, Record
Uma Ponte para Terebin (448 págs.) – 2005, Record
De um grande amor e de uma perdição maior ainda  (266 págs.) – 2007, Record
A Casa das Sete Mulheres, edição de bolso (546 págs.)  – 2008, BestBolso
Prata do Tempo (279 págs.) – 1999, 2008, Record
Os Aparados (240 págs.) – 2009, Record 
Os Getka  (176 págs.) – 2010, Record
Neptuno (176 págs.) - 2012, Record
Sal (240 págs.) - 2013, Intrínseca
Navegue a Lágrima (208 págs.) –  2015, Intrínseca
O primeiro e o último verão (152 págs.) – 2016, Globo
A Casa das Sete Mulheres (462 págs.) – 2002, 2017, Bertrand Brasil
Um Farol no Pampa (462 págs.) – 2004, 2017, Bertrand Brasil
Travessia: a história de amor de Anita e Giuseppe Garibaldi (546 págs.) – 2017, Bertrand Brasil
Contos & Crônicas
Anuário dos Amores (128 págs.) – 1998, Artes e Ofícios
Infantil & Juvenil
O Menino Paciente / co-autor: Marcelo Pires, il.: Virgílio Neves (48 págs.) – 2007, Record
Era Outra Vez um Gato Xadrez / il. Virgílio Neves (64 págs.) – 2008, Record
Semente de Gente / il. Virgílio Neves (64 págs.) – 2010, Record
O Menino e seu Irmão / il. Alessandra C. Lago (64 págs.) - 2011, Record
O Dragão de Wawel e outras lendas polonesas / co-autora: Anna Klacewicz, il.: André Neves (97 págs.) – 2005, (nova edição no prelo), Nova Fronteira
Brinca, Menino / il. Cado Bottega (32 págs.) - 2015, Nova Fronteira
Dorme, Menino (24 págs.) / il. Cado Bottega - 2014, Nova Fronteira
Come, Menino (24 págs.) / il. Cado Bottega - 2014, Nova Fronteira
Todas as coisas querem ser outras coisas (40 págs.) / il. Virgilio Neves - 2006, 2014, Nova Fronteira
Coração de Mãe (82 págs.) – 2015, Agir

Você conhece esta autora? Leu algum dos seus livros? Pretende ler? Recomendo muito estas leituras.





Comentários

  1. Boa noite caríssima... até ler a casa das sete mulheres não sabia quem era essa autora. Mas eu tive algumas ressalvas com a construção da trama. A história é sem dúvida muito interessante, mas a narrativa não me conquistou.
    Sal também não me agradou. A autora se preocupou muito com os personagens (que são a alma do livro) mas a história deles, em si, não me convenceu.
    Acho que tenho alguma culpa nisso, nos dois casos, porque esperei muito ao saber que Sal contava a historia de uma família que mora há mais de sessenta anos numa ilha e toma conta de um Farol. Me lembrou histórias que ouvia na infância. E no caso da Casa das sete mulheres, também teve um personagem que estudei ao longo da infância, o Garibaldi, figura muito importante para a história de minha cidade. Enfim, ficção e realidade se confrontaram. rs

    bacio

    ResponderExcluir
  2. Oi, Claúdia!
    A única obra da autora que já li foi o livro SAL. É uma história muito intrigante e cheia de mistérios que vão sendo desvendados com o progresso da leitura e que me deixaram impactada. História forte e quem nem sempre desce muito bem, mas muitíssimo bem escrita! Adorei e espero poder ler logo A casa das sete mulheres, que é tão comentada entre os leitores.
    Um abraço,
    Drica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário