Livro: Sísifo, Verena Kent - Editora Cultrix

Papo Médico com o Dr Rodrigo Rosa - Doação de Óvulos

Hoje é dia da nossa coluna médica, nosso papo médico com o Dr. Rodrigo Rosa. Todo mês você encontra por aqui o Dr. Rodrigo, nosso consultor em medicina, especialmente em ginecologia e obstetrícia. Ele responde nossas dúvidas sempre com muita atenção, gentileza e competência. Tenho muito orgulho desta nossa parceria!
Este mês solicitei este tema, doação de óvulos, pois é um assunto que acompanho cada vez mais no consultório e percebo que gera muitas dúvidas. Muitas pessoas não sabem ainda do que se trata e por isso escolhi como o assunto do mês para nossa coluna. Vamos acompanhar as explicações do Dr. Rodrigo Rosa:

Doação de óvulos: entenda como funciona
O óvulo é a célula mais importante no processo de reprodução humana. Logicamente a qualidade do espermatozoide também é relevante. A qualidade do óvulo é o principal fator que interfere na chance de gravidez, tanto espontânea quanto em uma fertilização in vitro e está implicada diretamente na idade do óvulo, sendo que quanto mais velho, menor a chance de gravidez.

Diante disso, acaba sendo frustrante para a mulher quando ela não tem óvulos de boa qualidade para a realização da fertilização in-vitro (FIV), uma vez que as chances de sucesso ficam comprometidas. Situações fisiológicas, como a idade da paciente ou até mesmo uma endometriose podem ser as causas que impactam diretamente a qualidade dos óvulos. A chance de gravidez com óvulos próprios em mulheres com 44 anos de idade por exemplo, é de apenas 3%.

Nessas situações, a FIV com doação de óvulos pode ser uma solução para aumentar as chances do sucesso do procedimento.
Assim, a mulher com reserva ou qualidade de óvulos baixa (ou ambos) recebe óvulos de outra mulher, que são fertilizados com os espermatozoides do cônjuge da receptora, e os embriões formados são transferidos no seu útero.

No Brasil, essa doação é anônima e não pode ter caráter lucrativo. A prática realizada é a doação compartilhada de óvulos, onde a paciente cede parte de seus óvulos em troca do custeio do tratamento ou dos medicamentos necessários para o estímulo ovariano.

As doadoras são pacientes de até 35 anos de idade que não possuam histórico pessoal ou familiar de doenças genéticas ou que comprometam a qualidade dos óvulos e que apresentem boa resposta ao estímulo hormonal. Desta maneira, a qualidade dos embriões formados é quase sempre excelente. Este fator é primordial para que se tenha altas taxas de implantação na FIV com óvulo-doação. A chance de gravidez na fertilização com óvulos doados é de aproximadamente 60% por cada tentativa.

Rodrigo da Rosa Filho é Graduado em medicina pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM), Membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH) e da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (SOGESP),  co-autor/colaborador do livro “Atlas de Reprodução Humana” da SBRH e autor do livro ” Ginecologia e Obstetrícia- Casos clínicos” (2013). É diretor clínico e sócio-fundador da clínica de reprodução humana Mater Prime.
Gostou do tema deste mês? Você gostaria de ver algum outro tema apresentado aqui? Você pode nos escrever, deixando sua sugestão ou sua dúvida.
Esta parceria com Dr. Rodrigo me deixa muito feliz! Este é um post cheio de gratidão, que também faz parte da nossa Blogagem Coletiva. Passe no blog da querida Elaine Gaspareto e veja quantos motivos para sentir grata.







Comentários

  1. Muito bacana saber mais sobre esse tema! Para um post futuro, gostaria de saber mais sobre gravidez tardia (para mulheres acima de 35 anos).

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o post. Muito interessante o assunto. Gostei de saber mais sobre.
    beijos
    Chris

    ResponderExcluir
  3. Nossa, não sabia como funciona a doação de óvulos, post muito esclarecedor! Vai ajudar muitos casais com dificuldade de engravidar... beijos

    ResponderExcluir
  4. Que interessante este Post... adorei! Um tema que poucos conhecem e entendo que ajudará muita gente! Parabéns... bjooo

    ResponderExcluir
  5. Um tema super interessante, Clau.
    E percebemos que cada vez mais as pessoas estão procurando outras maneiras para tentar engravidar.
    Adorei o post. Parabéns pela coluna do dr. Rodrigo

    ResponderExcluir
  6. É bem importante esclarecer sobre esse assunto, muitas pessoas tem dúvida!

    ResponderExcluir

Postar um comentário