Eu Li: O Peso do Pássaro Morto

Há algum tempo comecei a ler críticas interessantes e entusiásticas sobre um livro, cujo título me chamou a atenção de cara, O Peso do pássaro morto, escrito pela Aline Bei, da Editora Nós. Coloquei o nome na minha listinha. 
Quando conheci a Aline, sua autora, nas redes sociais me encantei com seu profissionalismo e com sua disponibilidade e atenção. Convidei e ela topou dar uma entrevista para nós, que você pode conferir aqui. Nesta entrevista ela contou sobre o processo de criação do livro e sobre a influência do talentoso e querido João Anzanello Carrascoza e seu livro Aos 7 e aos 40, um livro belíssimo que fala sobre perdas também.

Como você pode imaginar, o livro mal chegou e furou a fila. Não me arrependi. Que livro IN-CRÍ-VEL! Foi uma leitura que mexeu tanto comigo que precisei assimilar melhor antes de escrever esta resenha para vocês. 
Minhas Impressões
O peso do pássaro morto me mobilizou sentimentos profundos. Foi uma leitura tão intensa e diferente que me arrebatou.

Aline tem uma maturidade e uma sensibilidade poucas vezes observadas em alguém jovem. É um dom divino trabalhar as palavras de forma tão linda, singela e única.

Não tenho o costumo de contar passagens dos livros que li e muitas vezes nem gosto de ler a sinopse antes da leitura. Esta é uma dica preciosa aqui. Leia o livro "no escuro" sem saber do que se trata. Só te adianto que trata de perdas, de crescimento, de amor.

Acompanhar a trajetória daquela menina, sua protagonista, curiosa, amorosa e ingênua, foi uma viagem emocional profunda, tocante e impactante. Os dois personagens principais são carregados de sentimentos ambíguos, força e fragilidade, amor e raiva, impulsividade e passividade.
Por vezes com muita dor no coração, senti vontade de colocar estes personagens no colo. Ah, como seria bom se pudesse acalentá-los. 

Sobre o livro
A capa simples e "limpa" chama e atenção e transmite a idéia do livro. O foco são os personagens e suas relações.
Embora eu tenha enorme resistência para ler livros com diagramação que foge ao convencional, sem muitas maiúsculas e minúsculas e sem muitos parágrafos, eu AMEI este livro.

A escrita da Aline escrita é muito bonita, madura e poética.
Termino o livro com gosto de quero mais, com a sensação que preciso ler mais histórias como esta, que elas podem me alimentar.
Parabéns Aline, cuide deste dom e deste privilégio que é ter uma escrita tão linda e nos presenteie com mais emoções necessárias como esta.
Recomendo muito esta leitura! Leiam e depois me contem o que acharam, vou adorar saber.


Sobre a autora
Aline Bei nasceu em São Paulo, em 1987. É formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e em Artes Cênicas pelo Teatro Escola Célia-Helena. É colunista do site cultural Livre Opinião – ideias em debate. O peso do pássaro morto é o seu primeiro livro.

O Peso do pássaro morto
Autor: Aline Bei
Ano: 2017
Páginas: 168
Editora: Nós
Classificação 5/5 - Favoritado
Livro cedido pela autora
Adicione no Skoob

Comentários

  1. Oi Cláudia!
    Eu simplesmente amo leituras que nos arrebatam dessa maneira que você descreveu, quando saem do lugar-comum, nem apenas pelo enredo, mas pela narrativa e por como nos apresentam o texto. Esse ano li um que me tirou do prumo com a narrativa fluida que parecia pensamento da minha cabeça.
    Acho que deve ser o tipo de leitura que eu ia adorar fazer e, um detalhe: eu também não tenho o hábito de ler sinopses! eheheh Alguns livros eu até tenho uma noção do que se trata, mas, de modo geral, gosto que seja tudo surpresa, do nome dos personagens, ao que vai deslanchar suas histórias!
    E adorei a capa desse, a simplicidade das linhas, palavras e números com a cor forte criou um contraponto bem legal! <3
    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Poxa vida, só "Aline tem uma maturidade e uma sensibilidade poucas vezes observadas em alguém jovem" já me deixou com muita vontade de ler esse livro! Quero ler no escuro, como falou, mas pelo jeito vou chorar baldes! Já na minha lista, Clau!

    ResponderExcluir
  3. Li esse livro movida pela curiosidade de saber o estilo de escrita de Aline, que conheci durante um dos lançamento da Scenarium. Ela chegou atrasada, quando já não tinha livros e embarcamos em um diálogo. Depois combinamos um café e houve o lançamento do livro, não sei se antes ou depois. Foi interessante todos elementos.
    Gostei do livro, mas curiosamente nunca escrevi a respeito dele. O emprestei a uma amiga pouco depois e ainda não o tive de volta. rs

    bacio

    ResponderExcluir
  4. Fiquei com vontade de ler este livro, pois amo livros que tem essa capacidade de nos tocar e nos instigar a ser melhores a cada dia, dica anotada agora fiquei ansiosa por encontrar o livro rsrs, beijo grande.

    ResponderExcluir

Postar um comentário