Eu Li: Paxá, o Aposentado Ativo - Akio Kimura - Editora Scortecci

Olá!!
Hoje é a vez da resenha do livro Paxá, o Aposentado Ativo, de Akio Kimura, Grupo Editorial Scortecci.
Solicitei este livro porque tenho um motociclista na família, meu pai. Assim como Paxá, meu pai é aposentado e adora motocicleta, então resolvi conferir esta trama. Vem comigo! 
 Sinopse: A estória se passa de 2005 a 2016, com idas e vindas entre o passado e o presente. Após anos de trabalho, já com aposentadoria vencida, o personagem Paulo Alexandre Lobato decide sair da empresa de vez. Ele se sentia à beira de um colapso nervoso diante dos problemas que surgiam continuadamente. Isso devido ao seu envolvimento ilícito e da empresa em pagamentos de propinas junto às obras do governo. Na realidade, havia uma coisa mais importante do que sua própria aposentadoria: resgatar o passado, além de rever seus amigos de infância — e, principalmente, ouvir novamente o seu apelido, que ele tanto amava: Paxá! Explica-se: o seu falecido pai o chamava de “Pá” e sua irmã, de “Xan”. Um dia, seu pai padronizou o apelido para “Paxá”, e só a mãe continuou a chamá-lo de “Paulinho”. Fora isso, ele desejava continuar trabalhando, mas em outro ramo e numa empresa menor, de preferência, no bairro onde ele havia morado. O plano de reencontrar os seus amigos era imprescindível. Então, passou a prestar serviço para uma imobiliária de médio porte. Na sua mais nova função de gerente de contas a pagar e a receber, o dono, seu Vitinho, além de ter-lhe dado o poder de assinar papéis por procuração, deu-lhe a liberdade de sair livremente na rua, quando necessário, de executar a função de motoboy, pagando as contas nos bancos. E foi aí que ele passou a observar certos contratempos em filas bancárias. Na época, a fila era única; depois de algum tempo, surgiu fila para gestantes, idosos e deficientes.
Ficha técnica
Título: Paxá, o Aposentado Ativo 
Autor: - Akio Kimura 
Ano: 2017 
Páginas: 200
Editora:
 Scortecci
Avaliação: 4/5 
Livro cedido pelo autor
Para comprar: Editora Scortecci 
Adicione o livro no Skoob

Achei a capa do livro muito bacana, foi a primeira coisa que me chamou a atenção. A diagramação da Editora Scortecci é muito boa, com detalhes caprichados. Páginas brancas, letras em tamanho confortável para leitura, bom espaçamento, boa revisão. 
O livro é composto por 13 capítulos interessantes.  Este é, segundo o próprio autor, um livro de entretenimento e ele cumpre o que promete. Numa linguagem coloquial e simples, Akio conta sobre passagens da sua vida, principalmente depois da aposentadoria. Foi uma leitura diferente e fluida.
 Aposentados e como vivenciam esta nova etapa da vida, são assuntos que me interessam muito. Acompanho vários casos nas clínicas que trabalho e percebo que quanto melhor lidam com esta fase, mais saudáveis permanecem. Foi isso que aconteceu com nosso protagonista. Akio conta sobre sua vida profissional e sobre aposentadoria. Depois de aposentado, volta a trabalhar, mas nesta nova etapa sem tantas cobranças. Mais maduro e experiente, relata seu olhar para cenas do cotidiano como as filas de banco. Impossível não se lembrar da época das filas intermináveis das agências bancárias. Akio mostra detalhes corriqueiros, mas que são interessantes e que fazem refletir. Pessoas Impacientes, arrogantes e nervosas, pessoas compreensivas, Paxá encontrava de tudo nestes ambientes tão peculiares.
A leitura me trouxe risos, nostalgia e entretenimento.
O mais bacana é que Akio escreve de forma despretensiosa, relembrando passagens vivenciadas. Por isso o livro é leve e bacana. Uma leitura agradável e bem vinda. 
Sobre o autorAkio Kimura, filho mais velho, nasceu em Bilac, interior de São Paulo. A família, por questões de ordem financeira, fixou-se em Pereira Barreto, onde o pai se tornou o responsável por uma chácara de criação do bicho-da-seda e plantação de amoreira. Anos mais tarde, já com quatro filhos, a família migrou para a capital em busca de uma vida melhor, principalmente em relação aos estudos dos filhos. Estudou em escolas estaduais e federais. Aprendeu o ofício de tipógrafo na Escola Técnica Getúlio Vargas, no Brás, e, com essa profissão, custeou os seus estudos. Concluiu o curso de Comunicação – Polivalente Cinema da FAAP na década de 1970. Trabalhou como motoboy, fotógrafo, laboratorista de filmes branco e preto, e em cores. No início da década de 1990, foi decasségui durante seis anos. Atualmente, está aposentado e trabalha em escritório. Este é o seu primeiro livro de entretenimento, Paxá, o aposentado ativo, em linguagem coloquial, no qual o personagem principal presencia confusões em filas de banco e se envolve nelas.


Comentários

  1. Me fez lembrar do livro 'nossas noites' que eu devorei em horas e do filme 'um senhor estagiário'. O tema parece ser o mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adorei este livro e o filme.
      Sim, me lembrou Um Senhor estagiário, mas o livro é anterior ao filme
      Beijos, querida

      Excluir

Postar um comentário