Oncofertilidade: Pensando no Futuro





Semana passada participei de um encontro de blogueiras com a Dra Ana Lucia Beltrame, ginecologista e obstetra especialista em reprodução humana, da Clínica Ella Saúde sobre oncofertilidade.

Foi uma experiência muito rica e interessante, ainda mais para quem trabalha na área da saúde como eu. Fiquei encantada com as novas técnicas que permitem que a mulher tenha a possibilidade de engravidar, após alta do tratamento oncológico.

Confira aqui como são inovadores estes procedimentos:

De acordo com pesquisa divulgada pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA) espera-se no Brasil para o biênio 2016-2017 a ocorrência de 600 mil novos casos de câncer.  Desses, espera-se que,  57.960 mulheres sejam diagnosticadas com câncer de mama. Além disso, o câncer de intestino (8,6%), de colo do útero (7,9%), de pulmão (5,3%) e de estômago (3,7%) estarão entre os principais casos.
Após o diagnóstico, os pacientes se veem totalmente focados nas possibilidades de cura após o tratamento e na continuidade da vida. Porém, muitos casais acabam se deparando, mesmo com a possibilidade de cura (95% nos casos de câncer de mama), com a privação de um sonho: a criação ou o crescimento da família. Isso porque tanto a quimioterapia quanto a radioterapia podem comprometer a fertilidade feminina e masculina. A alta dosagem medicamentosa afeta os testículos e os ovários, danificando a produção, a quantidade e a qualidade de espermatozoides e óvulos. Muitas mulheres chegam a parar de ovular após o fim das sessões, com casos de infertilidade comprometida em quase 90%.
A preservação da fertilidade através do congelamento de óvulos, sêmens e embriões é uma opção viável que pode ser realizada pouco antes do início do tratamento quimioterápico. Geralmente a mulher pode levar de 10 a 15 dias para finalizar o processo de preservação da fertilidade, seja para o congelamento de óvulos ou de embriões.
Dra. Ana Lucia Beltrame, explica que as técnicas de reprodução assistida podem variar de acordo com o histórico médico e com o estado físico de cada paciente. “Especialmente para pacientes mais jovens que ainda não constituíram uma família e tem esse sonho, as técnicas de reprodução assistida são a esperança de conseguirem realizar esse desejo após o fim do tratamento. Mas é preciso que todos tenham acesso às alternativas para que decidam o quanto antes, pois precisamos dar início antes das sessões de quimio. O congelamento de óvulos e embriões são técnicas já estabelecidas, não experimentais que devem ser oferecidas aos pacientes segundo a Sociedade Americana de Oncologia Clinica. No entanto, infelizmente, por desinformação, muitos pacientes não são submetidos a estes procedimentos”, completa a especialista.
Os tipos de tratamentos disponíveis são:
  • Criopreservação de Óvulos
  • Criopreservação de Embriões
  • Transposição Ovariana: consiste da mudança anatômica da localização dos ovários, retirando-os do campo de radioterapia.
  • Criopreservação de Tecido Ovariano: técnica que retira e congela pequenos fragmentos dos ovários para posterior transplante e ovulação espontânea. Seus resultados ainda são limitados em relação ao congelamento de óvulos e embriões

Sobre Dra. Ana Lucia Beltrame

Médica formada pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo. Especializou-se em Ginecologia e Obstetrícia fazendo residência médica no Hospital das Clínicas na Universidade de São Paulo. Realizou sua pós-graduação como mestra em ciências na Universidade de São Paulo, tornando-se especialista na área de Reprodução Humana. Também é especialista em laparoscopia e histeroscopia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Anualmente participa de congressos internacionais e é Membro da ASRM (American Society for Reproductive Medicine) e da ESHRE (European Society of Human Reproduction and Embriology)


Você conhecia estas técnicas? Me conta o que achou deste post, eu vou adorar saber sua opinião.

Teremos novos posts aqui no MãeLiteratura sobre estes temas tão importantes. Aguardem.

Comentários

  1. A medicina e seus avanços surpreendentes. Sensacional!

    Clau

    ResponderExcluir
  2. Que interessante. Adorei o seu post amiga!

    http://www.arianebaldassin.com/

    ResponderExcluir
  3. Que bom esta esperança para famílias que querem ser ainda mais completas e superarem as consequências de uma doença tão devastadora né? Viva a ciência

    ResponderExcluir
  4. Sempre me surpreendo com esses avanços que a medicina está dando. Esperança, saúde e tecnologia. Que saia logo do papel para ajudar cada vez mais pessoas

    ResponderExcluir
  5. Clau, adorei participar dessa tarde de descobertas, foi um assunto que eu nunca tinha ouvido falar, e ainda é muito tabu. O post ficou ótimo e super esclarecedor. Bjão

    ResponderExcluir
  6. Tenho uma amiga que teve câncer de mama e como ela diz: “Tem dez filhinhos congelados” . É muito bom os pacientes poderem contar com essa tecnologia!

    ResponderExcluir
  7. Acho bem interessante essa parte da biomedicina! UAU!
    bjs
    Lele

    ResponderExcluir
  8. Muito bom participar de encontros para aprender as novidades e desenvolvimento da ciência. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Esses encontros são muito ricos mesmo. Sempre trazem informações novas.
    Muito bom saber que existem caminhos e alternativas.
    beijos
    Chris

    ResponderExcluir

Postar um comentário