Doce Inimiga Minha - Eu Li!!

Finalizei meu primeiro livro da Marcela Serrano, escritora chilena. Não conhecia sua escrita, mas li várias avaliações positivas. 
Neste livro Marcela explica que começou a publicar contos depois de um  pedido do jornal El Pais. Os 20 contos deste livro deste livro exploram diversos países e lugares do mundo, não só do Chile e este passeio pelo mundo é um dos atrativos do livro.
Outro dado que achei muito interessante foi que Marcela dá voz não só às mulheres, como acontece no seu livro As Dez Mulheres, mas a homens e bichos. Há um conto que o cachorro é o narrador e em outro, duas gatas. Muito bacana! Esta diversidade torna o livro interessante e dinâmico. Gosto muito da escrita sobre o cotidiano, sobre reflexões, frustrações, possibilidade não realizadas, enfim, sobre a vida e a autora explora estes temas com muita sensibilidade e cuidado. 
Curiosamente o conto que leva o título do livro foi o que menos me chamou a atenção e o que eu achei mais difícil de entender. Nele Marcela discorre sobre reflexões sobre Dom Quixote e este não é um tema que me chama muito a atenção. 
Seus livros são editados pela Alfaguara e as capas são lindas! Adorei esta aqui. Diagramação excelente, letra confortável. 

"...Recordo  ter pensado ao fitá-lo, em algo distante, comovedor; ele evocava um estranho anseio, uma plenitude, como um trem de brinquedo que, com a corda já dada, cruza sincera e tranquilamente as montanhas" (página 28)
Em Doce inimiga minha, Marcela Serrano — autora de Dez mulheres — explora o universo feminino através de vinte narrativas curtas. Com cenários e enredos diversos, os contos evocam sentimentos com os quais toda mulher precisa lidar. 
Do Chile à Bósnia, da Itália à Croácia, em cidades grandes ou pequenos vilarejos, acompanhamos mulheres vulneráveis mas destemidas. Apesar de seus medos, elas se veem em situações em que são obrigadas a se reinventar, a lutar pela união de suas famílias, a combater a solidão, em busca da felicidade. Sejam jovens ou velhas, ricas ou pobres, intelectuais ou donas de casa, todas almejam encontrar a liberdade e a coragem que precisam para enfrentar momentos de crise.
No romance, há mulheres que lutam contra o avançar da idade, acreditando que o cuidado com a beleza pode salvar o casamento; que sonham com a maternidade a qualquer custo; que tentam se libertar da rotina imutável de uma vida sem graça; que buscam abrigo em lugares distantes para esquecer um amor perdido; que abrem mão de seus princípios em troca de segurança; que precisam solucionar problemas familiares sem contar com ajuda alguma.
Cada uma delas, seja qual for a idade, posição social ou ideologia, tenta preencher uma espécie de vazio existencial, e mostra seu lado mais vulnerável. Ao retratar o mundo interior feminino, Marcela Serrano revela a profundidade das alegrias e dos medos destas mulheres tão diferentes e, ao mesmo tempo, tão parecidas.
Sobre a autora:
Filha de escritores, Marcela Serrano estudou Belas Artes na Universidade Católica do Chile e trabalhou no ambiente acadêmico e artístico. Considerada um dos novos talentos da literatura latino-americana, a autora recebeu o prêmio Sor Juana Inés de la Cruz (1991), com o romance de estreia Nosotros que nos queremos tanto. Em 1993, a autora lançou Para que no me olvides – ganhador do Municipal de Novela, o mais importante reconhecimento literário do Chile. Suas outras obras são Antigua vida mia (1995), El albergue de las mujeres tristes (1997) e Nuestra Señora de la Soledad (1999), que confirmou seu talento e acolhida do público. Entre outras publicações, destaque para Un mundo raro (2000), livro de contos; Lo que está en mi corazón (2001), finalista do Prêmio Planeta e grande sucesso na América Latina e Espanha; e Hasta siempre, mujercitas (2004), esplêndido romance que homenageia o clássico de Louise May Alcott.

Este livro cumpre o desafio de janeiro do Blog Pausa para um Café #ViagemnaLiteratura que em janeiro visitou o Chile. Ainda não conheço este belo país, mas está nos meus planos!
Também entra na nossa participação no Lendo o Mundo:





Comentários

  1. Oi Clau!
    Eu não conheço essa escritora ainda, mas gostei da proposta do livro. Ultimamente estou gostando de ler contos! Além do mais, não conheço muitos autores chilenos, essa seria uma oportunidade!

    Beijos,
    Fernanda
    www.oprazerdaliteratura.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Fê! Você vai gostar! Adoro contos. A escrita da Marcela é bem interessante. Depois me conta.
      Bjs

      Excluir
  2. Olá Clau
    Não conhecia essa escritora, mas achei bem interessante a temática do livro. Valeu a dica. Bjs
    Ana
    www.estante-da-ana.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem bacana, Ana! Pela Alfaguara tem este e o Dez Mulheres, minha próxima leitura.
      Bjs

      Excluir
  3. Não conhecia a escritora também, mas me interessei, vou ver se arrumo um tempinho para ler! Acho interessante sairmos da zona de conforto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbe acho muito bacana sair da zona de conforto e ler temas e titulos diferentes, à vezes temos otimas surpresas, né Lua?!
      Leia, depois me conta
      Bjks mil

      Excluir
  4. Estou doida para ler algo da autora. Acho que ela devia ser escolhida para as próximas leituras do clube. Só acho... ;)
    bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbe acho! Dê a sugestão lá no grupo, Mi querida!
      Leia,vc vai gostar. Tenho os dois, se vc quiser :)
      Bjs

      Excluir
  5. Clau,
    Não conheço essa autora. Mas também não gosto muito de contos...rsrs... Mas que a capa é linda é! Esse ano lá no clube teremos em março e abril livros de contos! Acho que minha cota vão ser esses dois...
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que legal! Eu adoro contos, Dri! Uma dica é intercalar os contos com a leitura de outros livros.
      Quais livros vcs escolheram?
      Bjs

      Excluir

Postar um comentário