Claros Sinais de Loucura - Resenha

Livro 22/100 Livro: Claros Sinais de Loucura Autor:Karen Harrington Páginas: 256
Editora: Intrínseca
5 estrelas Término: 26/03/2015
#livro22 #livrosdaclauo #desafiodos100livros #livrosdemarço #blogdaclauo

Foi minha filha que escolheu este livro e começou a ler primeiro. Em seguida ela me perguntou se li O Sol é Para Todos, pois a personagem fazia referência a ele no livro. Na hora fiquei interessada, logo depois uma amiga, a Sammy, postou no nosso grupo do Desafio dos 100 livros em um ano, que estava amando este livro. Pronto! Foi o empurrão para decidir qual seria minha próxima leitura.

Logo no primeiro capítulo a estória de Sarah aparece com vários componentes psiquiátricos. Sua mãe tentou afogá-la, junto com seu irmão gêmeo aos dois anos de idade e vive até hoje num hospital psiquiátrico. Sarah mora com o pai e vive buscando sinais de identificação com a loucura da mãe (daí o peculiar título do livro).

Embora pareça, não é um livro pesado. É um livro de reflexões de uma menina de nove anos, uma menina que tem suas dúvidas, medos, temores e adoraria dividir tudo isso com sua mãe. Uma menina que gostaria de ter uma vida "normal", no anonimato.

Confesso que o primeiro capítulo foi meio arrastado, até que o professor de Sarah propõe que a classe escreva uma carta para algum personagem que gosta e admira. Ela escolhe escrever para Atticus Finch, personagem do maravilhoso livro O Sol é Para Todos. A partir daí o texto me conquistou, me pegou de jeito! Foi divertido, sofrido, emocionante e terno. Descobri uma menina que você fica com vontade de colocar no colo, de proteger, de cuidar. No desenrolar da trama é possível enxergar o pai e a avó de outra forma também. Só não devorei o livro como gostaria porque estas semanas foram bem puxadas, mas li pelo menos um pouco todos os dias.

Você nunca conheceu ninguém como Sarah Nelson. Enquanto a maioria dos amigos adora Harry Potter, ela passa o tempo escrevendo cartas para Atticus Finch, o advogado de O sol é para todos. Coleciona palavras-problema em um diário, tem uma planta como melhor amiga e vive tentando achar em si mesma sinais de que está ficando louca. Não é à toa: a mãe tentou afogá-la e ao irmão quando eles tinham apenas dois anos, e desde então mora em uma instituição psiquiátrica. O pai, professor, tornou-se alcoólatra.
Fugindo da notoriedade do crime, ele e Sarah já se mudaram de diversas cidades, e a menina jamais se sentiu em casa em nenhuma delas. Com a chegada do verão em que completa doze anos, ela está cada vez mais apreensiva. Sente falta de um pai mais presente e das experiências que não viveu com a mãe, já se acha grande demais para passar as férias na casa dos avós, está preocupada com a árvore genealógica que fará na escola e ansiosa pelo primeiro beijo de língua que ainda não aconteceu.
Mas a vida não pode ser só de preocupações, e, entre uma descoberta e outra, Sarah vai perceber que seu verão tem tudo para ser muito mais. Bem como seu futuro. SKOOB


Recomendo muito, principalmente para quem gosta de ler sobre adolescentes, sobre relacionamentos familiares.

Este livro faz parte do desafio do grupo Loucas por Livros e Esmaltes, que em março tem o tema amizade.


Comentários